Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Futebol | Abrantes e Benfica com ambição assume objetivo da subida de divisão – Gonçalo Manito (C/VIDEO)

O centenário Sport Abrantes e Benfica (SAB), clube que nas últimas três décadas tem apostado no futebol de formação, regressa este ano com o futebol sénior para disputar o campeonato da 2ª divisão distrital e assume desde logo o objetivo da subida de divisão. Num discurso claro e objetivo, Gonçalo Manito, diretor desportivo do SAB, fala do plantel, da equipa técnica, do seu próprio percurso e mostra não ter receios da frontalidade, defendendo ser possível aliar a qualidade exibicional do espetáculo desportivo à obtenção dos resultados que permitam ascender à 1ª divisão distrital da AF Santarém.

- Publicidade -

Perfil: Gonçalo Manito, 38 anos, diretor desportivo do SAB. Fez toda a sua formação, como futebolista, no Tramagal Sport União até ao escalão sénior. Neste escalão jogou ainda nos “Dragões” de Alferrarede e na União Desportiva Abrantina. Após uma fugaz experiência como treinador adjunto na UDA, na época 2014/15, abraçou as funções de Diretor Desportivo no mesmo Clube onde se manteve até à “fusão”, esta época, com o Sport Abrantes e Benfica. Nesta época 2018/19 assumiu o cargo de Diretor Desportivo do SAB.

Gonçalo Manito, 38 anos, é o diretor desportivo do SAB. Foto: mediotejo.net

- Publicidade -

mediotejo.net – Quais são os objetivos da equipa sénior do SAB para esta época?

Gonçalo Manito – Nós transitámos da Abrantina para o SAB práticamente toda a nossa equipa sénior. Dos 13 jogadores mais utilizados da época passada, só não ficámos com um jogador por questões profissionais. Os restantes ficaram connosco e conseguimos, aqui ou ali, reforçar o plantel com os jogadores da região que nós achamos com bastante valor. Em relação à temporada que se avizinha…. Eu costumo dizer: no futebol, como na vida, existem duas maneiras de ver as coisas: ou jogo a jogo, que na vida corresponde a dizer que é o dia-a-dia, ou então temos que ter objectivos. Quer no futebol, quer na vida. Quando temos objectivos estamos sujeitos a falhar. Mas se nós não os estabelecermos, se não os transmitirmos…fez-se o que se pode, o dia correu melhor ou pior, mas não é a nossa maneira de estar aqui [sem objetivos claros e definidos]. Nem a minha, nem a do treinador nem a dos jogadores. Aquilo que nós temos pensado, aquilo que queremos esta temporada, é subir de divisão. Não adianta estar aqui com um discurso para dentro e outro discurso para fora, acho que não fica bem e nós queremos subir de divisão e se possível neste ano de regresso seria muito importante para nós conseguir o título de campeão distrital. É aquilo que nós ambicionamos. Se conseguimos ou não, o futuro vai dizer. A bola é redonda, as outras equipas também têm valor, há clubes da série e do concelho que certamente ambicionam o mesmo que nós e também têm o seu valor. Ora aquilo que nós acreditamos é que podemos lá chegar. Podemos subir de divisão e se possível colocar a cereja no topo do bolo com um título de campeão distrital.

Como analisa a série onde vai estar o SAB?

Confesso que concentrei-me muito naquilo que é o meu trabalho e a equipa técnica também se concentrou. Nós vamos sabendo aquilo que vamos ouvindo de conversas, vamos ouvindo e lendo aquilo que vem na comunicação social. Acho que à partida vai ser um série competitiva…pelo menos o Tramagal Sport União já se assumiu pela voz do seu presidente como candidato à subida de divisão, o Atlético Riachense, também na voz do treinador, já se assumiu como candidato e certamente haverá mais, uns mais assumidos outros menos, numa divisão onde não se desce…creio que todos os clubes que estão inseridos na divisão e que trabalham com o máximo empenho e a máxima seriedade possível, o objectivo deles só pode ser a subida de divisão. Portanto, à partida, penso que a série será bem disputada…domingo após domingo é que vamos ver exatamente o que ditará a série.

Gonçalo Manito, diretor desportivo do SAB, Paulo Neto, presidente do clube, e António Carvalho, vice-presidente. Foto: mediotejo.net

E a Taça do Ribatejo é importante para o Abrantes e Benfica?

Na Taça do Ribatejo o que nós temos estabelecido como objectivo é a passagem da fase de grupos. Estamos inseridos num grupo com o Torres Novas, com o Riachense e com os Lagartos do Sardoal. O que temos estabelecido como objectivo principal é a passagem da fase de grupos. Depois, certamente, se passarmos vamos para a fase a eliminar, logicamente não entraremos em nenhum jogo para não ganhar, mas estará sempre muito dependente dos adversários que podemos apanhar. Num dia bom, nós podemos ganhar a todas as equipas, mas num dia mau também poderemos perder com qualquer uma e portanto dependerá muito daquilo que nós conseguirmos fazer na primeira fase e em segundo lugar daquilo que a sorte nos ditar, tendo a certeza que se conseguirmos passar a fase de grupos entraremos em qualquer jogo sempre com o objectivo de chegar o mais longe possível da Taça. Não vamos usar a Taça do Ribatejo como uma competição menor, para rodar jogadores, para fazer aquilo que seja, terá o treinador essa função de fazer a gestão que entender, mas à partida o que queremos é chegar o mais longe possível também na Taça do Ribatejo.

És do Tramagal, já representaste o clube da borboleta… que leitura fazes do teu percurso até chegar a diretor desportivo do SAB?

Fiz o meu percurso como atleta não só no Tramagal Sport União, como também nos Dragões de Alferrarede e na União Desportiva Abrantina… mas é inegável que eu passei a maior parte do anos que joguei futebol no TSU. A passagem pela UDA tem a ver com amizades, amigos, com o facto de gostar de estar no futebol, de ser ambicioso, de achar interessante estar no futebol , independentemente das chatices que temos e de algum tempo que acabamos sempre por privar as nossas famílias, eu vejo como um percurso interessante. Gostava de jogar, de treinar, mas nesta altura sinto-me muito confortável nas minhas funções porque estou rodeado de pessoas em que eu confio e estou inserido num clube que eu acho que tem tudo para funcionar cada vez melhor e até mesmo como director desportivo temos de ser ambiciosos…. A ambição não passa por fazer vida disto, passa por fazer cada vez melhor e ficar muito contente com aquilo que vamos conseguindo dia após dia. Em relação ao TSU, desde que não interfira com os meus objectivos ou com os objectivos do SAB, é o clube que eu gosto mais que ganhe sempre. Mas quando interferir com os objectivos do SAB sem dúvida nenhuma que é o clube onde estou, onde me sinto bem, e nesses dias não vou ter dúvidas nem o coração dividido. Vou querer ganhar sempre onde estou.

Este sábado vai ser a apresentação do plantel (perante o União da Serra, às 18:00). Quem mensagem quer fazer passar aos adeptos e sócios do SAB?

Em primeiro lugar, antes de passar uma mensagem à massa adepta é preciso passar uma mensagem a todos aqueles que estão dentro do clube. Para as pessoas virem ao futebol e gostarem do futebol é muito importante…. e para ser um prazer andar no futebol… é muito importante que as coisas corram bem dentro do clube. Se as pessoas se empenharem, se as pessoas cumprirem as suas funções, fizerem os seus deveres, naturalmente estaremos sempre mais perto de todos, quer os seniores quer qualquer escalão, de ter sucesso. E o sucesso não quer dizer só ganhar, tem outras vertentes, nos escalões de formação não é só o ganhar e acho que esse é o primeiro passo para nós conseguirmos levar a nau a bom porto. Naturalmente que depois nós sabemos que estando mais perto de fazer bons resultados, ganharemos mais vezes e no futebol o que entusiasma as pessoas são as vitórias. Estamos conscientes de que se ganharmos mais, estaremos mais perto de ter mais pessoas a vir ao futebol. Se não ganharmos tanto, ou se a qualidade do nosso futebol não for aquela que nós ambicionamos estaremos mais longe das pessoas cá estarem, mas para as pessoas virem é necessário primeiro nós fazermos o nosso trabalho. Não adianta dizer só ‘venham ao futebol’. Temos de fazer o nosso trabalho….

O SAB vai ter como palco dos jogos em casa o estádio municipal de Abrantes

E o plantel e o treinador dão-lhe garantias dessa qualidade no espetáculo?

O meu treinador para mim é o melhor do mundo, para além de excelente treinador é grande amigo meu, dos melhores amigos que tenho, entre os jogadores também tenho grandes amigos, a qualidade futebolística deles acho que é inegável para quem conhece. Neste momento dão-me todas as garantias. Vamos encontrar dias bons, dias maus, não vamos encontrar facilidades, mas eu tenho uma confiança cega na minha equipa técnica, nos meus directores e nos meus atletas. Naturalmente que queremos que as coisas corram bem, poderá haver dias que elas não correm bem, mas a minha confiança neles será sempre inabalável. Se eles fizerem exactamente aquilo…se toda a gente fizer aquilo que eu espero que façam eu tenho a certeza absoluta que vamos ter sucesso. Se não o fizermos, naturalmente que não os vamos ter porque as outras equipas também lá estão, também têm os seus objectivos e o seu valor.

E o carinho dos sócios será importante….

Eu acho que é importante as pessoas virem ao futebol. Sejam sócios, atletas da formação, seja só quem gosta de futebol… é importante vir ao futebol… mas se o espectáculo não for bom ninguém o vai ver. E nós para termos as pessoas aqui o espectáculo tem de ser bom e é isso que nós queremos também fazer.

*A equipa sénior tem o seu primeiro encontro no dia 3 de outubro, pelas 21h, fora de casa, para a Taça do Ribatejo, frente ao Torres Novas. O campeonato da 2ª divisão distrital de seniores tem início no dia 7 de outubro, com o Sport Abrantes e Benfica a receber o ACD Aldeiense.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome