Futebol (1ª Distrital): Empate dá descida a Abrantina e manutenção a Amiense

24 de abril de 2016, 16 horas, Amiais de Baixo

PUB

Campeonato Distrital da 1ª Divisão de Seniores da Associação de Futebol de Santarém

Clube Desportivo Amiense 1 – União Desportiva Abrantina 1

PUB

Este era o jogo mais importante da jornada, pois era o único que colocava frente-a-frente equipas jovens com objetivos importantes ainda por alcançar. O Amiense que jogava com dois resultados (empate e vitória) que lhe davam a manutenção direta, ao posso que os abrantinos só com a vitória o conseguiriam, embora com um empate ainda pudesse manter-se mas aí era preciso a calculadora.

Nota ainda para a juventude nas duas equipas. Dos jogadores utilizados, 14 de um lado e 13 do outro) os amienses tinham uma média de idades de 23,7 anos, ao passo que os abrantinos tinham 22,9 como média de idades. Os encarnados com 5 jogadores abaixo dos 21 anos e os azuis com 8. Acima dos 30 anos, apenas 3 jogadores. Fôjo, Bruno Morais e Topa.

PUB

Na sua globalidade o jogo não foi uma grande partida de futebol nas duas partes, se bem que a primeira parte ainda foi quando se viu algum futebol.

Os minutos iniciais foram melhores para os da casa, que se instalaram no meio campo adversário, fazendo a bola circundar a área azul, mas sem criar grande perigo. A toada de expetativa da equipa visitante terminou aos sete minutos, pois com duas boas ocasiões quase seguidas (5′ e 7′) desinibiram-se e tomara conta da partida, em contraste com algum nervosismo e intranquilidade mostrada pelos encarnados.

_MG_1484
Aos cinco minutos Miguel Seninho rematou ao lado da baliza encarnada
_MG_1490
Diogo Rosado em boa posição só conseguiu cabecear para fora

Ao minuto 14 uma carambola entre jogadores de ambas as equipas leva o esférico até Hélio Ocante que desmarca Barrocas na esquerda. Este flete para a zona central e já dentro da área amiense remata para parada de Chico. Na recarga Miguel Seninho não perdoou rematando com força para golo, evitando assim qualquer corte indesejado. Este golo mantinha os abrantinos no patamar mais alto do futebol distrital.

_MG_1502
Diogo Barrocas remata para boa intervenção de Chico
_MG_1507
Na recarga Miguel Seninho faz o golo abrantino, que mantinha a UDA na 1ª Divisão

Se os visitados estavam intranquilos mais ainda ficaram, notando-se que sentiram o golo sofrido. Mais intranquilos podiam ter ficado se passados oito minutos (22′), Diogo Rosado tem aproveitado um alivio desastrado de Chico, quase junto à linha lateral. O alívio saiu curto e fraco, indo a bola para o 87 abrantino, mas o remate de Rosado não saiu com a força necessária para passar por todos, esbarrando no corte de Neves.

Paulatinamente os da casa começam a acalmar e a assentar o seu jogo, conseguindo equilibrar as operações à passagem da meia hora. Ao minuto 34 surge o primeiro aviso de Ricardo Rei (no primeiro remate enquadrado que o Amiense dispôs), num remate forte de zona frontal mas para fora. Volvido apenas um minuto, o mesmo Ricardo Rei, faz um golo de levantar qualquer estádio. Em zona central, ligeiramente descaído para a esquerda, desfere um remate em arco que leva a bola a entrar ao ângulo superior esquerdo da baliza de Chico, sem qualquer hipótese para este. Golo tranquilizador e galvanizador não só dentro das quatro linhas mas também fora destas, pois os últimos 10 minutos foram controlados pelos encarnados. Entretanto, Paulo Fernando, retira Bruno Morais (um dos centrais), fazendo recuar Manuel Vitor e colocando em campo Picão, querendo dar mais velocidade e mobilidade no seu ataque.

_MG_1572
Execução perfeita de Ricardo Rei…
_MG_1575
… e golo do Amiense.

Ao intervalo registava-se um empate a uma bola que nos parecia ser penalizador para o que os abrantinos tinham feito. Sem contar com a oferta de Chico tinham sido três boas oportunidades para os abrantinos (golo incluído) contra apenas uma, a do golo, para os da casa.

Na segunda parte o jogo baixou (e muito) de qualidade. Ia-se ouvindo as novidades que chegavam da Moçarria e de Santarém e isso, pensamos nós, influenciou o comportamento das duas equipas.

O Amiense trouxe uma alteração tática para a segunda parte. Rui Gaivoto fez baixar no terreno – para médio – Hugo Pereira (até aí o homem mais avançado dos encarnados), passando para a frente de ataque Benny. Era intenção do treinador de Amiais ter mais poder de choque no meio, e ter também nessa zona alguém com maior capacidade de retenção de bola e distribuição de jogo.

Houve poucas jogadas ligadas, muitos passes falhados e a bola esteve muitas vezes fora das quatro linhas. Foram 45 minutos mais lutados que jogados, com cada a ser disputada no limite (ás vezes para lá dele), o que levou a que muitos jogadores aparecessem caídos no relvado (umas vezes a necessitar de assistência, outras não), o que prejudicou a fluidez necessária para um jogo.

Ainda assim no primeiro quarto de hora, enquanto ainda se jogou qualquer coisa, registo para duas oportunidades para os homens da casa. Logo no segundo minuto, Neves, no coração da área, na sequência de um canto, não consegue rematar com força e direção para desfeitear Chico, o mesmo aconteceu ao minuto 15 com Pedro Lourenço, que tinha entrando há pouco tempo para o lugar de Benny.

_MG_1610
Neves não consegue rematar para golo
_MG_1637
Pedro Lourenço com um remate forte levou perigo à baliza de Chico

Dai até final, pouco se jogou, tal como já dissemos atrás. Muita pressão sobre o trio de arbitragem, em especial sobre Henrique Paula, árbitro assistente do lado do banco da casa e pouco jogo dentro do relvado. Os abrantinos iam ficando nervosos com o avançar do tempo e o descernimento não era o melhor na fase de construção. Também iam cometendo algumas faltas na saida para o ataque e conseguiram ter apenas uma situação de maior frisson, quando Miguel Seninho ao minuto 33′, em zona frontal remata forte mas para fora.

_MG_1685
Este foi o melhor remate da Abrantina na segunda parte

Nos minutos finais foi o tudo ou nada azul, com bolas a serem bombeadas para as imediações da área da casa, mas foi sempre tudo muito confuso, de tal forma que o perigo desejado não apareceu.

O apito final surge confirmando o empate, que nos parece um resultado certo para esta partida, e que confirmou a manutenção do Amiense e a descida da União Abrantina. No final da partida, uns terminaram em festa e outros a pedir explicações ao trio de arbitragem.

_MG_1706
A festa de uns foi o desalento e a revolta de outros

Quanto ao trabalho do árbitro e seus auxiliares, achámos que trouxe para a partida um critério muito apertado, o que não condenamos, foi uma opção que respeitamos, mas que deu azo a muitas paragens. Deu a sensação que a meio da primeira parte tentou “aliviar” esse critério, mas rapidamente voltou atrás. Em termos disciplinares esteve bem, o posicionamento foi bom, cumprindo diagonais, estando quase sempre em cima dos lances e a sincronização com os seus auxiliares também nos pareceu boa. No aspeto técnico é que já o vimos fazer melhor ou talvez tenhamos gostado mais quando, em outros jogos, teve um critério mais largo (por exemplo no Fátima – Cartaxo e com campo molhado, pareceu-nos melhor neste aspeto). Ficámos com a sensação que a pressão, nos segundos 45 minutos sobre o seu trabalho, mas em especial sobre Henrique Paula (com o público por vezes a centímetros), condicionou o seu melhor juízo, mas não dos seus auxiliares que em nosso entender estiveram muito bem.

Ficha do jogo

Campo da Azenha em Amiais de Baixo

Árbitros: Diogo Vicente, Henrique Paula e André Clemente

_MG_1456
Em primeiro plano, Toni (capitão da Abrantina), Diogo Vicente (árbitro) e Hugo Pereira (capitão do Amiense). Em segundo plano, Henrique Paula e André Clemente (árbitros assistentes)

CD Amiense

Chico, Lista, Carapito, Miguel Mateus (Fôjo), Benny (Pedro Lourenço), Hugo Pereira, Neves, Ricardo Rei (Diogo Queirós), João Alves, Luís e Nuno Tiago

Suplentes: Castelão, Fôjo, Francisco, Vindima, Dani, Diogo Queirós e Pedro Lourenço

Treinador: Rui Gaivoto

_MG_1460
Amiense

UD Abrantina

Chico, Abílio, Toni, Bruno Morais (Picão), João Rui, Manuel Vitor, Diogo Rosado, Diogo Barrocas, Miguel Seninho, Hélio Ocante e Topa (Bexiga)

Suplentes: André Pereira, João Martins, Zé Heitor, Picão, Romero, Bexiga e João Monteiro

Treinador: Paulo Fernando

_MG_1462
União Abrantina

Marcadores: Ricardo Rei (35′) ; Miguel Seninho (14′)

Cartão amarelo: Carapito (56′), Pedro Lourenço (75′), Nuno Tiago (88′) e Lista (90’+6) ; Toni (13′), Diogo Rosado (85′) e João Rui (90’+5)

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here