“Fujam, vamos ser saqueados”, por Helena Pinto

A polémica que atravessa o país sobre a possibilidade de introdução de uma sobretaxa no IMI para imóveis de luxo é positiva. Fazem falta estes debates, mesmo quando eles trazem consigo intoxicação informativa, adulteração do que se diz e até insultos pessoais. A poeira vai assentar e as conclusões serão tiradas, ficando com cada um ou cada uma e com quem as vozes do insulto representam as respetivas afirmações que não contarão para história.

PUB

Vejamos: uma deputada (Mariana Mortágua, BE) fala aos jornalistas sobre o que anda a fazer num grupo de trabalho (que toda a gente sabe que existe) entre o PS e o BE, cujo objetivo é apresentar propostas na área fiscal. Caí o “carmo e a trindade”. A direita entra em espiral de excitação. Deixo de lado aqueles que preferem as “negociações à porta fechada”, o centralismo bacoco para os dias de hoje e acho preferível que o debate se centre naquilo que de facto fez saltar a direita, que numa campanha de propaganda adultera as propostas e manipula a opinião pública. “Vão atacar as poupanças dos portugueses”, “ Vão taxar a classe média”, “estamos perante um saque”!!

Deveria ser caso de espanto que aqueles que governaram entre 2011 e 2015 utilizem estes argumentos, quando cortaram salários, subsídios de férias e de Natal, pensões (fruto de uma vida de trabalho e de uma carreira contributiva), criaram sobretaxas a quem, fruto do seu trabalho repito, conseguiu uma pensão de reforma um pouco acima da média, congelaram e retiraram os apoios sociais, aumentaram tudo e mais alguma coisa, desde o IRS ao IVA, passando pela eletricidade e outros bens de primeira necessidade, venham agora, escandalizados dizer que se quer “confiscar” os bens e as poupanças das pessoas.

PUB

São os mesmos que criaram isenções de IMI aos fundos imobiliários que detém quarteirões das nossas cidades à espera do momento oportuno para a especulação imobiliária, criaram os visto gold, cujo resultado, para além de um processo judicial por corrupção, são investimentos não produtivos.

Mas falemos do IMI. Quem agora se escandaliza com um imposto sobre os imóveis de luxo não foi capaz de votar nas assembleias municipais para que fosse aplicada a taxa mínima de IMI, baixando este imposto a todos, repito a todos. E o Governo PSD/CDS até obrigou as Câmaras em dificuldades financeiras a aplicar a taxa máxima – seguindo a velha máxima “são sempre os mesmos a pagar”.

PUB

Não é de espantar porque se entende muito bem… Quando se trata de tributar os rendimentos do trabalho, não se hesita, rasgam-se os compromissos, contratos… Durante a governação PSD/CDS centenas de pessoas perderam a sua habitação, porque deixaram de a poder pagar ao banco e alguns foram mesmo penhorados sem apelo nem agravo. Retiraram a casa de morada de família, casas dentro do valor patrimonial médio (que está longe dos 100 mil euros)… Mas que importa para a direita que uma família perca a sua casa mas continue com a dívida ao banco? Mas, tributar casas de luxo? Escândalo e saque!

Cada um e cada uma que faça as suas contas, olhe para o seu património, olhe para as suas poupanças e já agora olhe para o seu salário. Reservando à intoxicação o seu lugar (no final é sempre o lixo), verificamos que se trata de uma medida para que quem mais tem, mais pague. E até está na Constituição: “A tributação do património deve contribuir para a igualdade entre os cidadãos (N.º 3 do Artigo 104.º).

Não conheço outra maneira de redistribuir a riqueza e combater a desigualdade. Há quem não pense assim, pois claro. Mas neste aspeto, como em tantos outros, há que escolher um lado.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here