PUB

Foto-Reportagem | “Auschwitz foi ontem”, por Paulo Jorge de Sousa

Na semana em que se assinalam os 75 anos da libertação dos prisioneiros de Auschwitz, onde morreram um milhão e trezentos mil judeus às mãos dos nazis, uma crónica fotográfica especial de Paulo Jorge de Sousa

PUB

Parti de Budapeste às primeiras horas da madrugada e cheguei a Auschwitz (Polónia), ainda era noite.
O dia estava frio, com nevoeiro e a ameaça de chuva impedia o sol de aparecer.
O nervosismo natural de estar ali fazia desaparecer a sensação de incómodo causado pelo frio. O incómodo era outro, o de poder ver pelos meus olhos o que o ser humano podia ter sido capaz de fazer.

Levava uma máquina fotográfica com uma bateria suplente e um telemóvel, para o caso do frio interferir demasiado nas fontes de energia. Mas cedo me esqueci de fotografar isto e aquilo, de estar atento a este ou aquele enquadramento. Os auscultadores que levava e que me iam informando de todos os pormenores faziam-me pensar e pensar e pensar. Bolas, isto é mesmo verdade!

PUB

Nas fotografias que todos conhecemos é uma coisa, mas ali a sentir ainda os cheiros das salas e as queixas que as paredes nos iam fazendo, a coisa era outra.

O estômago teimava em não se desfazer dos nós que se iam criando sozinhos. Os silêncios eram ensurdecedores e os olhares entre as pessoas eram de tristeza profunda. Ninguém pode ficar indiferente, ninguém pode passar ali e não ficar marcado.

Como foi possível aquilo? Como pode alguém pensar num plano daqueles? Não consegui uma resposta e acho que nunca a irei ter.

E não foi assim há tanto tempo, foi mais ou menos 20 anos antes de eu nascer. Foi ontem…

Quem entra no campo de Auschwitz não sai de lá sem o trazer arrastado para o resto da vida.

Auschwitz
Foto de Paulo Jorge de Sousa

E fotografias? O tempo da visita é curto e o pensamento não deixava fazer mais.
Ficam apenas as essenciais.

E porquê Auschwitz num jornal regional?
Porque Auschwitz não tem fronteiras, não diz respeito apenas a um povo. Auschwitz é sobre todos nós, é sobre a Humanidade. É sobre a vida.

PUB
PUB
Paulo Jorge de Sousa
Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).