Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Agosto 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Festival Bons Sons pode ser replicado em Espanha para dinamizar pequenas comunidades da Galiza

O Festival Bons Sons, um projeto comunitário que envolve toda a população da aldeia de Cem Soldos, em Tomar, poderá vir a ser replicado na Galiza, em Espanha, disse à Lusa a animadora cultural Sílvia Villar.

- Publicidade -

“Há cerca de dois anos que percorro festivais e outros eventos culturais à procura de um modelo interessante, mas só agora, no Festival Bons Sons, encontrei algo verdadeiramente interessante para replicar nas aldeias onde trabalho”, afirmou a animadora cultural Silvia Villar, à agência Lusa.

Natural de Migran, na Galiza, a responsável por uma associação que trabalha com “montes”, ou seja, pequenos aglomerados populacionais onde a maioria dos habitantes desenvolve trabalho nas redondezas, considerou o exemplo do Festival Bons Sons “o equilíbrio perfeito entre uma comunidade, a cultura e uma muito boa organização”.

- Publicidade -

O Bons Sons é um festival inédito em que, ao longo dos quatro dias da sua realização, a aldeia de Cem Soldos é fechada e o seu perímetro delimita o recinto, promovendo uma relação de proximidade entre a população, que ronda os mil habitantes, e o público, que nesta edição deverá chegar aos 40 mil festivaleiros.

Criado em 2006, com periodicidade bienal, e transformado em anual desde 2015, o festival é marcado por uma forte componente comunitária, envolvendo toda a população na sua organização e revertendo os seus lucros para a realização de melhorias na aldeia.

“É muito curiosa a vivência que se estabelece entre as pessoas que aqui vivem e a enorme diversidade de pessoas que vêm de fora”, sustenta Silvia Villar.

À vivência da aldeia, onde durante o festival todas as portas se abrem aos forasteiros, a animadora cultural junta “o modelo de programação muito diversificado” como outro dos fatores que a fazem querer adaptar a experiência às comunidades com que trabalha.

“Obviamente que em Espanha teremos que adaptar o programa à nossa cultura, mas este exemplo de juntar num mesmo espaço pessoas de todas as idades e gostos, conseguindo criar alternativas para todos” levou hoje a festivaleira a encetar contactos com a organização para “voltar à aldeia alguns dias e aprender com os responsáveis como pode iniciar um projeto destes”.

Um repto que fonte da comunicação do Festival disse à Lusa ir “ao encontro daquele que é também o objetivo dos organizadores”, para os quais “a disseminação deste tipo de projetos é bastante benéfica”.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome