Ferreira do Zêzere passou de concelho “longe de tudo” a Capital do Ovo

Numa época em que chegar a Ferreira do Zêzere, no distrito de Santarém, era um tormento, um empresário, na altura com 60 anos, deu início a uma atividade que se tornou imagem de marca do concelho, a produção de ovos.

PUB

Criada em 1986 por Francisco Fernandes, quando o acesso à vila ainda se fazia por uma estrada cheia de curvas, a Zêzerovo acabou por abrir portas a outras empresas, do mesmo ramo, como a Uniovo (que se instalou no ano seguinte), e de áreas de apoio, e tornou-se na principal produtora de ovos do país.

“Na década de 80 [do século XX], o concelho estava de facto mal servido de vias de comunicação. Ferreira do Zêzere estava longe de tudo, pelo que a determinação dos nossos empresários é ainda mais louvável”, diz à Lusa Jacinto Lopes, presidente da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere desde 2009.

PUB

Às dezenas de pavilhões (23 só da Zêzereovo, com uma capacidade para 1,4 milhões de galinhas poedeiras e “equipados com as mais recentes tecnologias e normas de bem-estar animal”) juntaram-se outras empresas da fileira, como as que produzem rações, recentemente alargadas aos animais de companhia numa iniciativa que juntou várias empresas instaladas no concelho.

A importância que o setor assumiu nas últimas décadas levou a que a Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere registasse, em 2009, a marca Capital do Ovo, num reconhecimento do “trabalho que levou os produtores a posicionarem-se como líderes do mercado”, mas também procurando dar visibilidade ao concelho, frisa o autarca à Lusa.

Jacinto Lopes recorda o impacto que teve nessa estratégia a entrada para o Guiness, com o recorde da maior omelete do mundo, feita em 2012 com 6.000 quilogramas de ovos.

À “notoriedade e visibilidade” associadas à criação da marca e ao impacto que teve o evento que permitiu a entrada para o Guiness, Alfredo Martins, gerente da Zêzereovo, junta a adesão da empresa – que fornece as grandes superfícies nacionais e exporta principalmente para a Europa mas também para África – ao selo “Portugal Sou Eu”, criado pelo Governo para promover a produção nacional.

PUB

De um pavilhão com capacidade para 35.000 galinhas, em 30 anos a empresa foi crescendo até à capacidade atual de 1.400.000 galinhas em postura, possuindo o maior pavilhão de postura da Europa, realçou.

“O setor agroindustrial, onde se inclui a indústria do ovo, continua a ser um dos mais importantes do concelho, pois para além da sua própria atividade faz com que um grande número de empresas que gravitam à sua volta tenham uma atividade significativa”, diz Jacinto Lopes à Lusa.

Inserido num território de grande beleza paisagística, marcado pela floresta e o rio Zêzere, com os grandes lagos formados pela albufeira da barragem do Castelo de Bode, e pelo património, de que se destaca a aldeia de Dornes, o município tem vindo a reforçar a aposta na diversificação das atividades desenvolvidas no concelho, procurando “criar mais e melhores postos de trabalho”, acrescenta.

Com o problema das acessibilidades resolvido desde 2006 – com a variantes que reduziu o tempo de ligação da vila ao IC3 “de 30 para três minutos” -, a aposta no turismo tem-se reforçado.

Aos diversos festivais gastronómicos promovidos pelo município têm-se juntado eventos como a etapa europeia do circuito mundial de wakeboard, que se realizou em junho último, e surgido investimentos privados para criar oferta de alojamento e empresas ligadas ao turismo, sobretudo náutico.

Nas últimas décadas, Ferreira do Zêzere assistiu à fixação de uma crescente comunidade estrangeira – que rondará as 300 pessoas em pouco mais de 8.000 residentes -, responsável por dinâmicas como a que esteve na origem de um dos principais festivais de música erudita da região, o ZêzereArtes.

PUB

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here