Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ferreira do Zêzere | Moradores avançam com petição a exigir fibra ótica em Pias

Cerca de 200 pessoas já assinaram a petição para que as operadoras de “fibra ótica” implementem serviços de Internet fixa na Freguesia de Pias, concelho de Ferreira do Zêzere.

- Publicidade -

De acordo como texto da petição, “a população de Pias tem atualmente um serviço de Internet medíocre que não satisfaz as necessidades de quem diariamente necessita da internet para teletrabalho, para as aulas online dos jovens aqui residentes ou mesmo para comunicar”.

A questão é que uma das operadoras detentora da rede fibra ótica recentemente instalou na Freguesia de Areias os seus serviços, mas o território da antiga Freguesia de Pias não foi abrangido. “Porquê? Sendo que ambas as freguesias foram até agrupadas e tornando se “União de Freguesias de Areias e Pias”! Porquê apenas uma das duas aldeias tem direito a tal investimento, sendo que na freguesia da Pias existem cerca de 15 empresas e empresários, bem como cerca de 456 habitantes (dados facultados por cm-ferreiradozezere.pt), todos eles a necessitarem de um bom serviço de internet”, questionam os subscritores da petição.

- Publicidade -

Já em 2016, a própria União de Freguesias realizou um abaixo-assinado com 306 assinaturas, que foi enviado pela UFAP para o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, para o Conselho de Administração da ANACOM, Maria de Fátima Bertoldi, para o Conselho de Administração da Fibroglobal, S.A., José Nogueira e para o Comité Executivo da Portugal Telecom, Paulo Neves.

No entanto, “infelizmente, quer as respostas obtidas, quer as nossas contestações, não produziram efeitos”, lamenta o atual presidente da Junta, Hugo Azevedo. “Esperamos sinceramente que esta petição tenha outro desfecho”, acrescenta.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome