Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Novembro 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ferreira do Zêzere | Javali ‘Riscas’, um animal de estimação que conseguiu a legalização

“Graças a Deus, correu tudo bem, o Riscas já está legalizado e agora estamos a tratar das coisas para ele ser benzido”. Para quem não sabe, Riscas é o nome de um javali que se tornou animal de estimação em casa de uma família de Paio Mendes, concelho de Ferreira do Zêzere, e que foi motivo de reportagem em abril no mediotejo.net.

- Publicidade -

Na sequência dessa reportagem, chegaram à GNR várias denúncias que levaram à atuação das autoridades, mas cujo processo terminou em bem, sem qualquer penalização para a família Rodrigues, proprietária do javali a quem deram o nome de “Riscas”.

Poucos dias depois da publicação da reportagem, militares da GNR de Tomar deslocaram-se a casa da família e, através do terreno de um vizinho, viram o javali nas traseiras da casa, no lago onde costuma e gosta de estar a chafurdar.

- Publicidade -

Apenas a mulher de Luís Rodrigues estava em casa e foi ela que abriu a porta aos militares da GNR a quem apresentou toda a documentação. O processo de legalização nessa altura já estava a decorrer no ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, e a família já tinha na sua posse a declaração de um veterinário em como se responsabilizava pelas vacinas e pelo acompanhamento do estado de saúde do animal.

Não foi fácil obter essa declaração porque o veterinário municipal de Ferreira do Zêzere recusou-se a passá-la com o argumento de que era necessário fazer o registo como se tratasse de uma exploração. E foi um veterinário de Viseu que enviou por email a respetiva declaração.

“Graças a Deus tive muitas pessoas que me ajudaram. Recebi uma onda de solidariedade impressionante”, relata Luís Rodrigues que faz questão de agradecer publicamente todos os apoios.

Na GNR, o processo seguiu a tramitação normal nestes casos.  Os militares regressaram a Paio Mendes para identificar o proprietário e notificá-lo da contraordenação, que foi enviada para o ICNF.

O processo terminou no dia 27 de abril, quando chegou a resposta oficial deste instituto a confirmar a legalização do “Riscas”, sem qualquer coima, para alívio da família.

“O Riscas é um animal de companhia, foi criado por nós com biberão desde pequenino, gosta da gente, gosta de brincar, o nosso objetivo não é matá-lo, nem é para negócio”, sublinha Luís Rodrigues.

O padre Manuel Vaz Patto, pároco da freguesia de Nª Srª do Pranto, foi um dos apoiantes da família e “ficou muito contente” com o desfecho final, conforme relata o dono do Riscas.

O próximo passo é a bênção do animal, à semelhança do que se fazia antigamente com porcos e outro tipo de gado. Para isso, Luís Rodrigues vai levar o Riscas ao Santuário de Dornes, onde será benzido, dando de seguida uma volta à igreja, como manda a tradição.

“Vai ser inédito. Penso que é a primeira vez que um javali é benzido. Até me chamam doido, mas faço questão”, realça Luís, que não se cansa de agradecer publicamente as muitas pessoas que o ajudaram e apoiaram nesta onda de solidariedade para com o Riscas e a sua família de adoção.

Ferreira do Zêzere | Quando um javali se torna animal de estimação (c/vídeo)

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome