- Publicidade -

Sábado, Dezembro 4, 2021
- Publicidade -

Ferreira do Zêzere | Feira da Ascensão em Areias adiada devido à pandemia

Pelo segundo ano consecutivo não se realizou a tradicional Feira da Ascensão em Areias, no concelho de Ferreira do Zêzere, devido às contingências da pandemia. O fim de semana de 15 e 16 de maio “seria de Festa, Alegria e União com a celebração da Quinta-feira da Ascensão na União das freguesias de Areias e Pias”, refere a junta em comunicado.

- Publicidade -

A pandemia, mais uma vez, impediu a realização do evento. “Esperamos conscienciosos que no próximo ano de 2022 possamos voltar a celebrar esta data marcante”, anuncia a autarquia.

A Quinta Feira da Ascensão é uma festa religiosa católica, que acontece 40 dias depois da Páscoa, sendo mesmo feriado em algumas localidades.

- Publicidade -

Há algumas décadas a Quinta Feira da Ascensão chegou a ser feriado no concelho de Ferreira do Zêzere. E neste dia realizava-se uma das maiores feiras do País em Areias. Feira de grandes dimensões onde se vendiam e trocavam produtos de todos os géneros.

Era nesta feira que eram vendidas as primeiras cerejas do ano e as senhoras produtoras do famoso Queijo de Areias o exibiam orgulhosamente para venda nas suas cestas de vime ornamentadas por lindas toalhas de linho branco. O facto de este dia deixar de ser feriado deu o início ao declínio desta feira que acabou mesmo por se deixar de realizar, deixando muita saudade nas pessoas da terra e visitantes habituais.

O atual executivo da União das freguesias de Areias, não conformado com o sucedido, cerca de 20 anos depois conseguiu reabilitar esta feira, em moldes diferentes adaptados aos novos tempos e deslocalizando-a para o fim-de-semana a seguir à quinta feira da Ascensão.

O objetivo é, explica a autarquia, “promover a freguesia, os comerciantes e artesãos da terra, o convívio e o associativismo”.

A 1ª edição aconteceu no ano 2016, tendo-se realizado nos três anos seguintes sempre com assinalável adesão.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome