Ferreira do Zêzere | “As pessoas só ficarão [no interior] se conseguirem realizar-se” – João Catarino

O Secretário de Estado da Valorização do Interior, João Paulo Catarino, compareceu à inauguração de uma nova linha de produção da fábrica de rações para animais domésticos petMaxi, em Ferreira do Zêzere, um investimento na ordem dos 5 milhões. Na quarta-feira, 19 de junho, João Catarino defendeu a necessidade de criar mais emprego no interior para desenvolver estes territórios, abordando os apoios existentes ao nível do Portugal 2020 para esta área.

PUB

“As pessoas só ficarão em Ferreira do Zêzere se conseguirem realizar-se e só vão conseguir realizar-se se tiverem emprego”, começou por referir no seu discurso, que encerrou o 1º Colóquio Internacional petMaxi. O responsável frisou, sobretudo, a importância do emprego originado pelo setor privado, razão pela qual destacou a necessidade de haver mais investidores nestas regiões.

“O Estado tem que ter consciência que para trazer investimento para o território é preciso emprego”, reiterou.

PUB

Foi neste sentido que abordou o pacote de 800 milhões de euros do Portugal 2020 para projetos de investimento no interior, assim como a majoração em termos de pontos percentuais para quem apresentar ideias para estes territórios.

“Não será suficiente, mas já houve mais candidaturas” aos avisos de apoios comunitários referentes à valorização do interior.

É preciso também trabalho da parte das autarquias para captar investidores, defendeu o Secretário de Estado Foto: mediotejo.net

O Secretário de Estado terminaria a elogiar o trabalho da petMaxi, empresa fundada em 2015 e que já regista um crescimento assinalável. “É um exemplo para o país”.

Em declarações aos jornalistas, João Catarino reconheceu que não obstante a existência de fundos europeus – e a criação de acessibilidades e equipamentos vários que estes permitiram nos últimos anos, aproximando o interior do nível de vida do litoral – é necessário “sermos mais inteligentes na aplicação destes quadros comunitários” na valorização do interior.

O responsável defendeu que a distância dos grandes centros, que frequentemente serve de argumento para quem não quer estagnar profissionalmente, é em grande medida uma ideia do passado e que tem que ser combatida, sendo que hoje existem condições para que empresas de variadas áreas se estabeleçam com sucesso no interior do país, das áreas florestais e agrícolas, à economia social e novas tecnologias.

“É preciso proatividade”, defendeu, mas também o empenho das próprias autarquias na captação destes investidores, mostrando-lhes as vantagens dos territórios. O governo acredita neste potencial, razão pela qual está a redirecionar fundos europeus para estas áreas, tentando assim corrigir assimetrias, explicou.

A visita do Secretário de Estado encerrou o Colóquio Internacional da petMaxi, que contou com a presença de várias dezenas de clientes. As intervenções dos oradores convidados focaram a nutrição animal e o combate à obesidade nos gatos.

Segundo Luís Guilherme, administrador da petMaxi, a empresa conta atualmente com 40 trabalhadores, não obstante a fábrica seja automatizada. Em 2018 a empresa conseguiu obter uma faturação de 15,9 milhões de euros e espera-se que em 2019 atinja os 20 milhões, face ao crescimento no mercado. Deste valor, 6 milhões ocorreram em exportação, encontrando-se a marca em 21 paises.

Ao nível de projetos futuros, a petMaxi tem por objetivo duplicar a produção, mas também investir numa estrutura fabril mais amiga do ambiente.

PUB
PUB
Cláudia Gameiro
Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).