Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Agosto 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ferreira do Zêzere | Areias e Pias, uma freguesia “longe de tudo” a lutar contra a interioridade

UFAP é a sigla da União de Freguesias de Areias e Pias, um território no interior do concelho de Ferreira do Zêzere que sofre problemas de isolamento e interioridade. “Estamos longe de tudo”, reconhece o presidente da Junta, Hugo Azevedo, que ocupa estas funções desde 2013 e agora se abalançou à conquista da presidência da Câmara pelo PSD.

- Publicidade -

O autarca tudo tem feito para “puxar” pela sua freguesia de modo a contrariar esse isolamento e o crescente envelhecimento da população. O principal problema que identifica na sua freguesia é a falta de emprego, que faz com que os jovens não se fixem e fiquem apenas os mais velhos.

Para tentar revitalizar a freguesia e dar mais vida ao coração da aldeia de Areias, a junta está a fazer um grande investimento em obras na sede da junta e zona envolvente. “São obras há muito aguardadas pela população”, revela Hugo Azevedo, entusiasmado com o evoluir dos trabalhos.

- Publicidade -

Já entre 2017 e 2018, a junta tinha investido cerca de 55 mil euros na remodelação interna do edifício sede, que resultou numa melhoria significativa das condições acústicas, térmicas e de conforto.

Este ano foi a vez de se investir no exterior. O projeto de arquitetura foi aprovado pela Câmara, abrangendo toda a zona envolvente numa remodelação total. No entanto, quando se avançou para os projetos de especialidade, chegou-se à conclusão que não havia verba suficiente para a empreitada desejada.

Por isso, a junta decidiu avançar apenas para uma primeira fase, obras iniciadas em finais de janeiro e com prazo de conclusão previsto para finais de julho.

São 149 mil euros de investimento, o que significa “um grande esforço financeiro” por parte da Junta, que conta com o apoio da Câmara na ordem dos 50 por cento.

s obras deverão ficar concluídas em julho. Foto: mediotejo.net

O empreiteiro, a empresa Pilar d’Ouro, com sede no concelho, começou por demolir os sanitários públicos que não tinham o mínimo de condições, conforme reconhece o próprio presidente da Junta, e as garagens.

Nesta altura, estão a ser construídos sanitários novos, com valência para banhos a pensar sobretudo nos peregrinos que por ali passam a caminho de Fátima. As futuras garagens vão abrigar os equipamentos e viaturas adquiridos pela junta, que até agora tinham de estar dispersos.

A parte mais aguardada é o novo parque infantil – um investimento na ordem dos 25 mil euros –, o ginásio ao ar livre, enquadrado com nova iluminação, mobiliário urbano como bancos e árvores. Tudo pensado para garantir a acessibilidade de todos, quer ao edifício da junta, quer à zona envolvente.

O projeto global, da autoria do arquiteto Lourenço Gomes, de Tomar, era muito mais ambicioso. Previa um palco multiusos virado para a igreja, um poço, e um fontanário de três bicas que nesta fase não é possível concretizar por falta de verba.

As vicissitudes desde que a ideia surgiu foram várias, conforme nos relata Hugo Azevedo. Logo para começar, o facto de metade da zona de intervenção estar situada na área de proteção da igreja Matriz de Areias, obrigou a parecer da DGPC – Direção Geral de Património Cultural e a escavações arqueológicas, que fizeram atrasar o processo.

Para complicar, na primeira consulta às empresas construtoras não surgiram interessados na obra devido ao baixo preço base da empreitada. Só depois de se subir o preço base e feita nova ronda se conseguiu contratar uma empresa da terra que “está a trabalhar muito bem”, garante o autarca.

Hugo Azevedo não se cansa de realçar a importância da obra numa zona central da freguesia onde existe a igreja, o mercado, o centro escolar, o multibanco, wireless e vários outros serviços.

Esta é a maior obra de sempre da junta, que até aqui tem investido em melhoramentos, sempre apenas com capitais próprios. Isto numa autarquia que tem como orçamento médio entre 211 mil e os 215 mil euros anuais.

A pandemia veio estragar alguma dinâmica que a freguesia já tinha em termos de eventos como seja a festa anual, feiras e o encontro de BTT que chegou a juntar mais de 200 ciclistas. Preocupação dos autarcas locais é a resolução imediata dos problemas da população ou pelo encaminhar os cidadãos para a solução.

Com esse espírito foi criada uma brigada da junta que atua sempre que há problemas no exterior, seja a queda de uma árvore, de uma barreira ou um buraco. É uma espécie de “brigada de intervenção rápida” que, com quatro ou cinco operacionais, consegue dar resposta na hora, sem ter de estar à espera da solução da câmara. Para Hugo Azevedo este é um serviço “muito benéfico para a população”.

Nesta zona vai ser construído um parque infantil. Foto: mediotejo.net

Uma freguesia que ganha mais vida aos domingos

Areias é uma aldeia que ganha vida aos domingos. A missa e a feira trazem centenas de pessoas da freguesia e arredores até ao coração da freguesia.

Tradição e ponto de encontro aos domingos, o mercado semanal é reforçado uma vez por mês – no primeiro domingo de cada mês – com mais vendedores. Funciona uma peixaria, duas padarias, um talho, uma churrasqueira, um relojoeiro e bancas com venda de verduras, rações, roupas e sapatos, entre outros produtos.

Se a pandemia afastou vendedores e compradores, nesta fase de desconfinamento já é visível a crescente participação e o mercado está cada vez maior.

Indo ao encontro desta procura e no sentido de responder às necessidades das pessoas, a Junta de Freguesia mantém as suas instalações abertas aos domingos, das 9h00 às 12h30. Os cidadãos têm acesso à resolução de assuntos administrativos e dos serviços dos CTT. Segundo dados revelados pelo autarca, a média é de 37 atendimentos por domingo.

As instalações da Junta em Areias e em Pias estão ligadas em rede VPN, o que permite um trabalho à distância independentemente do local onde as funcionárias se encontram. São três administrativas e dois assistentes operacionais para o trabalho no exterior, apoiados sempre por três colaboradores através do centro de emprego.

Igreja Matriz de Areias. Foto: mediotejo.net

Uma freguesia “extremamente envelhecida”

Areias e Pias congrega uma população a rondar os 1800 habitantes, em que 60 a 65 por cento têm mais de 65 anos, revela o presidente da Junta que reconhece ter “uma freguesia extremamente envelhecida”.

Por isso, assume papel importante a AMBESA – Associação de Melhoramentos e Bem Estar Social de Areias que garante o funcionamento de um lar com mais de 60 utentes e cerca de 50 colaboradores, um centro de dia e serviço de apoio domiciliário. Esta IPSS apresentou uma candidatura ao programa PARES para construção de novas instalações (lar e centro de dia), investimento na ordem dos 2 milhões e 900 mil euros, em que a Câmara financia até meio milhão de euros.

A freguesia ocupa uma área de 49 km2, cerca de 28 por cento da área do concelho, sendo a maior freguesia de Ferreira do Zêzere. Apesar de estar no interior do concelho e “longe de tudo”, está bem servida de acessibilidades sendo atravessada pela A13 e pela EN110.

A nível económico, a maior empresa da freguesia é a Uniovo que emprega dezenas de pessoas. A esta juntam-se outras pequenas empresas como a Socopaze, que produz e comercializa produtos hortícolas e frutícolas, e a Mobiladora Pereirense, entre outras.

Serviço muito valorizado pela população local é a extensão de saúde que apoia cerca de 1600 utentes, havendo a preocupação pela aproximação da idade da reforma do atual médico.

No setor da educação é em Areias que funciona o segundo centro escolar do concelho, atualmente com 86 alunos, o Centro Escolar Engenheiro Sérgio Mendes de Melo.

É uma figura que está na memória de todos os autarcas e da população da freguesia. O empresário era presidente da Assembleia de Freguesia e morreu subitamente em março de 2020, com 79 anos. Comendador e presidente do conselho de administração da Telcabo, era um benemérito da freguesia e do concelho tendo financiado muitos projetos e ajudado muitas famílias. É objetivo da Junta de Freguesia homenageá-lo em breve.

 

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome