Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Junho 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ferreira do Zêzere | Abrangel de Dornes foi recebido com honras no Museu de Marinha (c/vídeo)

O Museu da Marinha passa a ter na sua coleção esta embarcação típica, doada pela Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere e feita pelo último construtor existente na albufeira de Castelo de Bode. O Município quer revitalizar o uso do Abrangel e ver aprovada a sua classificação como património imaterial nacional.

No sábado de manhã, junto à Torre de Belém, eram muitos os turistas ou lisboetas em passeio desportivo que paravam para ver José Alberto Ferreira chegar no seu barco à Doca do Bom Sucesso. No meio de tantos iates de luxo, veleiros e catamarans, um pequeno e tosco abrangel – um barco de madeira a remos –, parecia sair de um portal de outro tempo para este.

- Publicidade -

Passaram certamente muitas décadas desde que alguma embarcação deste tipo se aproximou de Lisboa, depois de descer o Tejo, e a visão não deixa de impressionar. Ali, onde o rio já se faz mar, o barco esculpido para deslizar sobre as águas plácidas de Dornes parece verdadeiramente uma casca de noz, como eram as naus dos Descobrimentos que ultrapassaram o cabo das Tormentas. Noutros tempos, as viagens rio abaixo eram longas e difíceis, mas neste caso só houve mesmo “Boa Esperança” durante todo o percurso, feito por etapas entre 15 e 22 de maio, desde Ferreira do Zêzere até Lisboa, com paragens em Almourol e Santarém.

Foi uma viagem simulada, feita apenas parcialmente para assinalar, de forma simbólica, a importância destas embarcações na distribuição de bens e pessoas ao longo das margens dos rios, até à capital. Neste caso, o bem a entregar era o próprio barco, que foi doado pelo município de Ferreira do Zêzere ao Museu de Marinha, passando a partir de agora a integrar a sua coleção de embarcações típicas dos rios portugueses.

- Publicidade -

José Alberto Ferreira à chegada a Lisboa, com o seu Abrangel, embarcação típica de Ferreira do Zêzere que foi doada ao Museu da Marinha. Créditos: mediotejo.net

Já só resta um construtor deste tipo de barcos na Albufeira de Castelo de Bode – precisamente José Alberto Ferreira, que aos 61 anos fez questão de remar na partida e na chegada do Abrangel ao seu destino, e que integrou a comitiva que entregou a embarcação ao diretor do Museu da Marinha, Comodoro José Croca Favinha, acompanhado de altas patentes militares.

A direcção do Museu de Marinha e alguns militares naturais de Ferreira do Zêzere com a comitiva da Câmara Municipal, junto ao Abrangel doado à instituição, em Lisboa. Créditos: mediotejo.net

 
As primeiras referências históricas desta embarcação típica do Zêzere indicam Cafuz como a sua origem, localidade na Praia do Ribatejo, em Vila Nova da Barquinha. Adaptado a águas pouco profundas devido ao seu fundo chato tornou-se popular por uma vasta região do Rio Zêzere e Tejo devido à sua versatilidade e utilização comum para transporte. 
Conhecido como Abrangel na zona de Dornes, também é designado por Três Tábuas, ou Catrafuço, Catrafuz, Alverangel, Abringel e Chata, consoante as zonas onde é construído, por diferentes mestres calafates, que foram fazendo pequenas alterações nas suas características. 
 

José Alberto Ferreira começou a construir barcos aos 31 anos, depois de aprender o ofício com o pai, que se iniciou apenas aos 65 anos. Por isso diz que “nunca é tarde” e ainda tem esperança que outros se iniciem nesta arte, não a deixando morrer.

Placa informativa colocada no Abrangel, no Museu da Marinha. Créditos: mediotejo.net

Se assim não for, pelo menos resta-lhe o conforto (e a alegria) de saber que um barco seu ficou guardado no Museu de Marinha, “para as gerações vindouras saberem do que se tratava”.

A embarcação numa das etapas da viagem entre Dornes e Lisboa, junto ao Castelo de Almourol. Créditos: DR

O município de Ferreira do Zêzere tem também em curso o processo de classificação do barco Abrangel como património imaterial nacional, e o registo de toda a viagem desde Dornes até Lisboa vai figurar no dossiê da candidatura. Para já, fica documentada e salvaguardada toda a informação acerca de uma embarcação que faz parte da história dos concelhos ribeirinhos do Tejo e do Zêzere, mas o vereador Hélio Antunes, que esteve na génese de toda a iniciativa, espera que a classificação do barco e das tradições a ele associadas possa, mais do que preservar uma memória, ajudar a revitalizar a sua utilização. “Não consigo imaginar as margens do Zêzere sem estes barcos, fazem parte da paisagem e do nosso imaginário”, descreve. 

O presidente da Câmara, Jacinto Lopes, vê no turismo uma das grandes possibilidades de dar nova vida ao Abrangel, nomeadamente em Dornes: “Não há nada mais romântico do que passear naquelas águas, ao final do dia, num barco de três tábuas.”

O Abrangel corre o risco de desaparecer das águas do Zêzere, substituído por barcos de fibra e plástico. Créditos: DR

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome