Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Julho 31, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Fátima precisa de um milagre!”, por José Alho

Fátima vai ser nos próximos dias o foco de milhares de visitantes na sua maioria peregrinos que movidos pelo interesse, pela fé e também pela tradição, transformam completamente esta localidade num aglomerado denso de pessoas que põem em evidência as suas fragilidades estruturais para esse acolhimento.

- Publicidade -

Estamos perante um dos principais destinos de peregrinação mundiais e o terceiro destino mais procurado em Portugal depois de Lisboa e Algarve.

Os números oficiais apontam que cerca de 6 milhões de pessoas passam por Fátima, todos os anos, na sua grande maioria mobilizados pelo fenómeno religioso que lhe está associado.

- Publicidade -

Esta localidade do concelho de Ourém evoluiu de um pequeno local, mais propriamente de uma grande dolina nas margens da Serra de Aire- Cova de Iria para uma cidade que teve de dar resposta à cada vez maior procura dos peregrinos com estruturas e serviços em dimensão adequada.

Se a questão do fenómeno religioso em si, por ser uma questão de fé não se discute, pois se acredita ou não, quanto à forma como evoluiu esta povoação e o modelo instalado é urgente um debate sério, infelizmente com um atraso acumulado de décadas.

À excepção da área determinado pela Igreja como cenário das aparições e a sua imediata envolvente, assistimos durante décadas a um dos piores exemplos de ocupação do território numa lógica do “salve-se quem puder” com responsabilidades nunca assumidas por parte dos diversos actores, desde os promotores imobiliários, aos responsáveis políticos locais e nacionais.

Fátima é hoje uma cidade desordenada do ponto de vista urbanístico, com inúmeros imbróglios administrativos por resolver (se é que se conseguirão resolver) o que fragiliza as suas funcionalidades e as suas potencialidades.

Infelizmente o passivo do caos urbanístico de base é factor limitante à imagem que se esperaria duma cidade santuário, próxima de áreas naturais e monumentos do maior interesse patrimonial e paisagístico de valor mundial.

É comum ouvir-se apontar a culpa aos empresários, à Igreja, à Câmara Municipal ou ao Governo por terem feito mal ou por nada fazerem, num estilo de “pescadinha de rabo na boca “, mas o que é facto é que o modelo de desenvolvimento que se quer para Fátima nunca foi definido e na sua ausência imperou o cenário de terra de ninguém onde cada uma das partes retirava a mais-valia possível deixando a quase totalidade da responsabilidade do investimento e da infra-estruturação para os outros.

Essa mais valia não significa apenas lucros para os empresários, esmolas para a Igreja, taxas para o município e para o governo, por vezes trata-se apenas dos dividendos alcançados na efémera notoriedade pública nos media ou nas comezinhas e por vezes patéticas lutas politico – partidárias locais.

O facto mais paradigmático desta atitude é o não entendimento quanto à existência de um município autónomo, com diversos protagonistas a defenderem posições diversas e contraditórias de acordo com as circunstâncias e os interesses do momento político!

Por estas e outras circunstâncias, Fátima – Altar do Mundo ou Cidade da Paz, continua a ser um destino procurado sobretudo pela força da fé, vivendo desses momentos bem localizados no decorrer de cada ano, sem capacidade de acolher com qualidade as necessidades físicas dos crentes, sem uma imagem de modernidade, sem capacidade critica e com um claro deficit de cooperação entre os actores responsáveis sectoriais por todo este fenómeno que começou por ser religioso.

Pelo seu impacto no Mundo justifica-se que este País olhe para Fátima de acordo com o estatuto que tem em termos nacionais e internacionais, assumindo as obrigações que isso acarreta.

Fátima não pode ser esta imagem de subdesenvolvimento, que se torna bem visível quando as grandes multidões partem, onde falta quase tudo em termos de qualidade urbana e de vida.

Tal como um dia conseguimos fazer em Lisboa, requalificando os terrenos degradados da sua zona Oriental e aí criando uma nova cidade, moderna e atrativa, que foi palco da Expo-98, saibamos também transformar este território de Fátima, num espaço de realização de desafios que nos orgulhem em torno da Fé e da Paz Mundiais.

Neste mês de grande peregrinação e a um ano da anunciada visita do Papa Francisco para celebrar o centenário do fenómeno religioso é importante que Fátima seja debatida na dimensão do que representa enquanto destino internacional mais conhecido que o próprio Pais.

Numa salutar e respeitosa ironia arrisco-me a desafiar boas vontades para essa missão nem que para isso se tenha de convocar um MILAGRE!

José Manuel Pereira Alho
Nasceu em 1961 em Ourém onde reside.
Biólogo, desempenhou até janeiro de 2016 as funções de Adjunto da Presidente da Câmara Municipal de Abrantes. Foi nomeado a 22 de janeiro de 2016 como vogal do Conselho de Administração da Fundação INATEL.
Preside à Assembleia Geral do Centro de Ciência Viva do Alviela.
Exerceu cargos de Diretor do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, Coordenador da Reserva Natural do Paúl do Boquilobo, Coordenador do Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios da Serra de Aire, Diretor-Adjunto do Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Litoral de Lisboa e Oeste, Diretor Regional das Florestas de Lisboa e Vale do Tejo na Autoridade Florestal Nacional e Presidente do IPAMB – Instituto de Promoção Ambiental.
Manteve atividade profissional como professor convidado na ESTG, no Instituto Politécnico de Leiria e no Instituto Politécnico de Tomar a par com a actividade de Formador.
Membro da Ordem dos Biólogos onde desempenhou cargos na Direcção Nacional e no Conselho Profissional e Deontológico, também integra a Sociedade de Ética Ambiental.
Participa com regularidade em Conferências e Palestras como orador convidado, tem sido membro de diversas comissões e grupos de trabalho de foro consultivo ou de acompanhamento na área governamental e tem mantido alguma actividade editorial na temática do Ambiente.
Foi ativista e dirigente da Quercus tendo sido Presidente do Núcleo Regional da Estremadura e Ribatejo e Vice-Presidente da Direcção Nacional.
Presidiu à Direção Nacional da Liga para a Protecção da Natureza.
Foi membro da Comissão Regional de Turismo do Ribatejo e do Conselho de Administração da ADIRN.
Desempenhou funções autárquicas como membro da Assembleia Municipal de Ourém, Vereador e Vice-Presidente da Câmara Municipal de Ourém, Presidente do Conselho de Administração da Ambiourem, Centro de Negócios de Ourém e Ouremviva.
É cronista regular no jornal digital mediotejo.net.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns caro José Alho pelo excelente artigo de opinião. Merece inteiramente o meu (fraco, mas sincero) apoio e seria bom que outros políticos, locais e nacionais, o ouvissem. Fátima pela sua rentabilidade, quanto mais não seja, merecia e devia ter outro tratamento. “Pelo seu impacto no Mundo justifica-se que este País olhe para Fátima de acordo com o estatuto que tem em termos nacionais e internacionais, assumindo as obrigações que isso acarreta.” Revejo-me nas suas palavras, vamos a isso. Saudações amigas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome