Fátima | Investigação em torno do “correio de Nossa Senhora” publicada em livro

"Caixa de Correio de Nossa Senhora" é da autoria do jornalista António Marujo, especialista em religião Foto: Santuário de Fátima

O Santuário de Fátima deu a oportunidade ao jornalista António Marujo de abrir o arquivo do “correio” de Nossa Senhora e fazer uma primeira e inédita investigação em torno do conteúdo das mensagens e sobre o que elas revelam sobre os crentes. Uma análise por cerca de 50 mil cartas deixadas em Fátima e que mostram, como nenhum outro documento, o tempo e os problemas que o marcavam. O livro “A caixa de correio de Nossa Senhora” foi apresentado no domingo, 11 de outubro, no Centro Pastoral Paulo VI.

PUB

Uma investigação que “abre novos horizontes de investigação”, admitiu o Reitor do Santuário de Fátima, Padre Carlos Cabecinhas, constatando a expectativa que esta primeira iniciativa abra “novas perspetivas” de análise. “O correio de Nossa Senhora é um retrato de Fátima, mas também um retrato religioso, social e político daqueles anos”, frisou, e não só de Portugal.

Carlos Cabecinhas salientou o “arrojo” do autor na escolha dos temas, referindo que este partiu essencialmente da questão da guerra. “O século de Fátima foi o século das guerras”, constatou, havendo uma relação particular entre estas mensagens a Nossa Senhora e a guerra colonial. “Fátima reflete a complexidade” da sociedade.

PUB

Da parte do departamento de estudos do Santuário de Fátima, Marco Daniel Duarte fez uma exposição sobre a obra, frisando o trabalho “árduo” do seu autor. Para o responsável, esta abertura da instituição à investigação mostra que “o conhecimento não é inimigo da crença. Fátima é um lugar do conhecimento da humanidade”.

Livro analisou cerca de 50 mil mensagens deixadas a Nossa Senhora de Fátima Foto: mediotejo.net

Com 245 páginas e escrito em “linguagem da reportagem jornalística”, o trabalho em sete capítulos percorreu as milhares de mensagens que foram sendo deixadas para Nossa Senhora no último século. “Não é possível contar a história de um país sem passar pelo arquivo do Santuário de Fátima”, constatou, referindo que não haverá outro arquivo semelhante no país. São mensagens de “ternura”, mas também de “ódio e de raiva”, afirmou o responsável.

PUB

A encerrar a apresentação, António Marujo recordou que quando começou a trabalhar em Fátima fazia-lhe confusão não haver mais investigação sociológica em torno da cidade. Nas mensagens deixadas a Nossa Senhora, encontrou sobretudo pedidos por “emprego, saúde, uma vida digna”. “Não se pede para ser rico”, comentou.

Há ainda muitos mensagens relacionadas com a “harmonia familiar”, com identificação de “problemas gravíssimos”, adiantou, sem especificar, referindo apenas que hoje são considerados “crimes graves”. Depois há a guerra e os pedidos pelo regresso a casa dos soldados, desde filhos, namorados, noivos, amigos.

Esta investigação beneficiou da bolsa para investigação jornalística da Fundação Calouste Gulbenkian. O trabalho foi realizado em colaboração com o jornalista da SIC, Joaquim Franco, tendo já resultado numa reportagem televisiva e outra no jornal Expresso.

A edição do livro é da Temas e Debates.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here