Sábado, Fevereiro 27, 2021
- Publicidade -

Fátima | Consequências da visão “utilitarista” dos avós lembradas pelo Santuário

A visão utilitarista fomentada pela cultura atual faz com que o sentido da vida seja medido pela utilidade das pessoas e não pela necessidade que se tem delas e isso conduz a uma cultura do descarte, alertou esta tarde o diretor do Departamento de Pastoral da Mensagem de Fátima, que proferiu a catequese que assinalou a comemoração do Dia dos Avós no Santuário de Fátima. A instituição religiosa emitiu uma nota de imprensa sobre a celebração do Dia dos Avós, este 26 de julho.

- Publicidade -

“Há uma visão utilitária dos avós que acaba por gerar nos mais velhos a convicção de que a sua vida deixa de ter sentido quando deixam de ser úteis”, afirmou o Padre José Nuno Silva, lamentando que a sociedade de hoje baseie o sentido da vida na utilidade que as pessoas possam ter.

“Isso é uma ofensa a Deus e uma ofensa aos homens”, enfatizou sublinhando que a vida do homem “não depende da utilidade que tem” pois “o seu valor é maior que a sua utilidade”.

- Publicidade -

O sacerdote, que abordou o problema da eutanásia, da institucionalização dos mais velhos, da falta de tempo e de espaço para eles, no seio da família, quando perdem algumas das suas faculdades, lamentou a falta de investimento social na promoção da dignidade e qualidade de vida dos mais velhos.

“Este é o grande desafio da nossa vida: garantir a dignidade das pessoas, do principio até ao fim”, referiu. “Quantas vezes ouvimos dizer: eu já não sirvo para nada, não tenho qualquer préstimo, o que ando aqui a fazer, o melhor era Deus levar-me…Esta visão utilitarista das pessoas, sobretudo das mais velhas, contamina as relações sociais e está a dar cabo delas”, enfatizou.

“Temos de ser capazes de dizer aos avós, aos mais velhos, que mesmo não sendo úteis são necessários. Não podemos continuar a confundir utilidade com necessidade”, disse ainda.

O capelão do Santuário de Fátima abordou a questão da solidão dos mais velhos, da falta de atenção a que são votados e do “fardo” que vivem pelo seu isolamento. “É aí que se joga a cultura do descarte que leva a uma cultura da morte porque, aí sim, a vida deixa de fazer sentido”, concluiu.

Durante a manhã, na missa na Basílica da Santíssima Trindade, o bispo de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, falou do “papel insubstituível e tão inestimável” dos avós não só no cuidado dos netos mas, sobretudo, na transmissão da fé. “Essa missão hoje é muito entregue aos avós, que têm uma missão de serviço extraordinário. Estamos muito gratos e pedimos-vos que continuem esse trabalho, porque a Bíblia não é para estar escondida à espera que os meninos decidam se querem ou querem ser cristãos” afirmou.

“A velhice é uma manifestação de estima por parte do Senhor; é um dom de Deus: os velhos têm de sonhar para que os novos possam profetizar para salvarmos a família e as relações entre nós” disse ainda lembrando que “precisamos uns dos outros até ao fim, na humildade e na gratidão. Por isso estamos gratos aos avós” e celebrar o seu dia em Fátima “tem um sabor diferente”, disse o prelado que encerrou também nesta eucaristia o 45º Encontro Nacional da Pastoral Litúrgica que decorreu durante a semana no Centro Pastoral de Paulo VI.

O Dia 26 de julho assinala a festa litúrgica de São Joaquim e Santa Ana, avós de Jesus e pais de Maria de Nazaré.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).