Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Fátima | Bispos portugueses manifestam em carta total apoio ao papa Francisco

Os bispos portugueses manifestaram esta segunda-feira, dia 3 de setembro, “total apoio” ao papa Francisco, numa carta enviada ao líder da Igreja Católica, em que se declaram disponíveis para seguir as suas orientações para erradicar a “chaga” do abuso de menores por padres.

- Publicidade -

“Neste momento, perante tentativas de pôr em causa a credibilidade do seu ministério, queremos manifestar-lhe a nossa fraterna proximidade e o total apoio à sua pessoa, a plena comunhão com a sua missão de pastor universal e completa adesão ao seu magistério”, refere a carta dos bispos de Portugal, lida hoje pelo presidente da Comissão Episcopal Vocações e Ministérios (CEVM), António Augusto Azevedo, durante o arranque do Simpósio Nacional do Clero, em Fátima.

Na mesma carta, os bispos portugueses sublinham que partilha do sofrimento do papa Francisco e de toda a Igreja relativamente ao “drama do abuso de menores” por parte de padres, propondo-se a “seguir as orientações para erradicar as causas desta chaga”.

- Publicidade -

“Empenhar-nos-emos em incrementar uma cultura de prevenção e proteção dos menores e vulneráveis em todas as nossas comunidades”, refere a carta, redigida pelos bispos, reunidos em Fátima, no Simpósio Nacional do Clero, e que agradecem ainda ao papa Francisco pela “oportuna e corajosa Carta ao Povo de Deus”, que aborda a questão do abuso de menores por parte de membros responsáveis da Igreja Católica.

A leitura da carta por António Augusto Azevedo terminou com um forte e longo aplauso por parte dos padres presentes no evento.

Em declarações aos jornalistas, no final da sessão de abertura do Simpósio Nacional do Clero, António Augusto Azevedo, referiu que a carta é “uma manifestação da parte do episcopado português, corroborada de forma muito expressiva pelo muito clero presente neste simpósio,” de comunhão com o papa.

“Quando, porventura, sobretudo na opinião pública, pode haver a dúvida se essa comunhão é suficientemente forte, da parte dos bispos portugueses há, de facto, essa sintonia plena com o papa Francisco”, vincou o também bispo auxiliar do Porto.

Segundo António Augusto Azevedo, o episcopado português partilha “a mesma opinião e este esforço que o papa Francisco está a fazer por uma renovação da Igreja”, acrescentando que tem a consciência de que “a renovação de uma instituição nunca é tarefa fácil e que só será possível num clima de comunhão”.

Para o presidente da CEVM, é importante “implementar na Igreja e na sociedade, nas famílias e nas escolas, uma cultura de maior respeito pelo outro, sobretudo quando o outro é mais frágil”.

Além disso, é necessário dar atenção à formação e acompanhamento dos sacerdotes.

Apesar desta problemática do abuso de menores por parte de padres não ter, em Portugal, a “dimensão que adquiriu noutros países”, António Augusto Azevedo sublinhou que “há sempre mais a fazer”.

“Requer mais atenção, mais cuidado, mais acompanhamento”, vincou.

A questão dos abusos sexuais foi um dos temas marcantes da recente visita do papa à Irlanda, onde Francisco expressou uma mensagem de vergonha e tristeza por este caso que está a abalar a Igreja.

Na sequência dessa visita, o arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio apostólico nos Estados Unidos, publicou uma carta a acusar Francisco de também não ter sido célere na denúncia e resolução dos casos de pedofilia.

Vários bispos portugueses têm manifestado o seu apoio ao papa, nomeadamente o cardeal de Leiria-Fátima, António Marto, que considera que o ataque dirigido a Francisco procura “pôr em causa a sua credibilidade e criar uma divisão na Igreja”.

Também o cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, o bispo de Aveiro, António Moiteiro, e o novo arcebispo de Évora, Francisco Senra Coelho, expressaram publicamente mensagens de apoio ao papa.

Cardeal Beniamino Stella defende prevenção por parte de toda a comunidade

A prevenção dos abusos de menores por parte de responsáveis da Igreja Católica é um trabalho que não pode ser somente enfrentado pela hierarquia, mas por toda a comunidade, defendeu esta segunda-feira, 3 de setembro, o cardeal italiano Beniamino Stella.

“É importante dar vida a uma ação ampla e constante pela prevenção de tais chagas e pela proteção dos menores. Porém, é preciso especificar que essa obra de purificação, que já foi iniciada, necessita do apoio de todos os batizados”, lê-se numa comunicação entregue aos jornalistas pelo cardeal italiano, prefeito da Congregação para o Clero, que está esta segunda-feira, 3 de setembro, presente no Simpósio Nacional do Clero, que decorre em Fátima.

Segundo o texto do cardeal, que contém excertos da conferência que Beniamino Stella proferiu na tarde desta segunda-feira, dia 3 de setembro (fechada à comunicação social), o papa Francisco “não pensa o problema dos abusos como uma realidade a ser enfrentada somente pela hierarquia da Igreja e pelos padres”.

Fazendo alusão à carta que Francisco endereçou recentemente sobre os abusos de menores no seio da Igreja Católica, o cardeal italiano sublinhou que o trabalho a ser feito necessita de todos juntos: “Bispos, padres, religiosos e leigos, como único povo de Deus”.

Além disso, será necessário “empenhar os melhores recursos para a formação humana e espiritual dos sacerdotes”, defendeu.

Na sua comunicação, Beniamino Stella nota também que “o trabalho do Dicastério [organismos do governo da Igreja] testemunha que, tantas situações da vida dos padres, geradas a partir da solidão, do cansaço e das incompreensões, não se teriam degradado ou teriam sido enfrentadas ainda em tempo se houvesse escuta, acolhimento e partilha da parte dos bispos e de toda a comunidade cristã”.

A questão dos abusos sexuais foi um dos temas marcantes da recente visita do papa à Irlanda, onde Francisco expressou uma mensagem de vergonha e tristeza por este caso que está a abalar a Igreja.

Na sequência dessa visita, o arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio apostólico nos Estados Unidos, publicou uma carta a acusar Francisco de também não ter sido célere na denúncia e resolução dos casos de pedofilia.

Vários bispos portugueses têm manifestado o seu apoio ao papa, nomeadamente o cardeal de Leiria-Fátima, António Marto, que considera que o ataque dirigido a Francisco procura “pôr em causa a sua credibilidade e criar uma divisão na Igreja”.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome