- Publicidade -

“Estações CP – enquanto não há obra, distraem-nos com os projetos”, por Duarte Marques

A estações ferroviárias da nossa região, tal como a ferrovia, estão a precisar obviamente de investimento depois de anos de abandono. Há uns tempos, li aqui uma notícia no mediotejo.net sobre os investimentos que as Infraestruturas de Portugal IP iriam fazer nas Estações de Vila Nova da Barquinha, Santa Margarida (Constância), Tramagal e Alferrarede (Abrantes) e Alvega-Ortiga (em Mação). Decidi então questionar o Governo sobre o detalhe das intervenções projetadas para perceber melhor o que estava em causa e o que de facto iria ser feito. Não sendo frequentador de todas estas estações sabia perfeitamente quais os problemas daquelas que uso ou usava com mais frequência, a de Alferrarede e a de Ortiga.

- Publicidade -

Recebi a resposta esta semana (Pergunta e Resposta pode ser consultada em https://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalhePerguntaRequerimento.aspx?BID=120319 e são várias as conclusões úteis que posso tirar e que aqui deixo como informação e também com alguma crítica.

Em primeiro lugar, o comunicado da IP e a notícia eram rigorosos e na verdade trata-se apenas de um anúncio da adjudicação dos projetos de execução para as respetivas obras. Projetos esses que só estarão finalizados em outubro deste ano. Não sei qual é esta nova moda de anunciar as mesmas obras várias vezes, talvez porque seja um ano eleitoral ou apenas uma má prática de comunicação.

- Publicidade -

O Governo atual, à semelhança do que faziam nos tempos de Sócrates, faz um comunicado e uma cerimónia por cada passo de uma obra, seja a adjudicação do estudo, seja a abertura da portaria de execução, seja a adjudicação da obra e finalmente a inauguração. Para os mais distraídos até parece que triplicam as obras feitas.

Na resposta do Governo confirma-se que estão previstas intervenções nas estações de Barquinha, Santa Margarida, Tramagal, Alferrarede e Alvega-Ortiga. Mas ficamos também a saber que a elaboração destes projetos já começou no final de 2020 e que só estará concluída no 3º trimestre de 2021. Ou seja, quase um ano para fazer projetos num valor total de 65 mil euros. Ou esta gente trabalha devagar ou então a complexidade das obras faz-nos esperar algo verdadeiramente inovador e surpreendente.

Confirma-se também que o objetivo dessas intervenções é a melhoria das condições de acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida. Das diversas intervenções previstas, destacam-se as seguintes:

• Altear as plataformas de passageiros, de modo a facilitar aos passageiros a entrada e saída dos comboios;

• Dotar os percursos pedonais das condições necessárias para garantir a plena acessibilidade desde o exterior das Estações até às plataformas;

• Instalar pavimentos táteis para encaminhamento de pessoas com deficiência visual;

• Adaptar, completar ou substituir integralmente a sinalética de orientação e encaminhamento dos passageiros;

• Instalar abrigos de passageiros nas plataformas;

• Beneficiar os sistemas e equipamentos de iluminação dos espaços; • Instalar de guardas nos topos das plataformas, bem como em todas as zonas onde seja necessário reforçar a proteção contra quedas;

• Pintar o exterior dos edifícios de passageiros e outras construções;

• Requalificar dos espaços intermodais (largos das estações)

• Instalar novo mobiliário urbano, como bancos, papeleiras e porta horários. No seguimento das definições técnicas e das soluções de projeto de execução que vierem a ser apresentadas, serão apurados os valores de investimento respetivos e planeadas as intervenções a implementar no terreno.

Apesar do palavreado, são intervenções simples, mas muito úteis. O problema é que se só os projetos demoram um ano então provavelmente as obras demorarão muito mais, pelo que só estarão prontas dentro de dois ou três anos. Mas, entretanto, interessa é manter a esperança viva e fazer as pessoas pensar nas obras, sobretudo num ano de eleições autárquicas. Por isso nada melhor do que entreter o povo com anúncios de projetos.

Duarte Marques, 39 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros.
Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. É ainda membro da Assembleia Municipal de Mação.
Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).