Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Especial Mação | Pereiro, de pequena aldeia a Capital das Ruas Enfeitadas e candidata a Património Cultural Imaterial

“Aldeia viva”, assim se carateriza a aldeia de Pereiro, no concelho de Mação, localidade que carrega aos ombros a responsabilidade de enfeitar todos os verões as suas ruas para receber milhares de visitantes. Reconhecida como Capital das Ruas Enfeitadas, todos os anos, no fim de semana que antecede o último domingo do mês de agosto, lança os seus festejos tradicionais com direito a bailarico, convívio entre moradores e petiscada. Este ano não será, com certeza, exceção. Em 2016 também embarcámos na viagem e fomos espreitar as novidades pelas ruas floridas do Pereiro de Mação, e este ano parece que a responsabilidade acresce: a associação da localidade trabalha com a autarquia para uma candidatura a Património Cultural Imaterial.

Estávamos em 2013 quando foi registada a marca. Pereiro tornava-se oficialmente a Capital das Ruas Enfeitadas, pela mão da Associação Desportiva e Cultural do Pereiro. Aqui a projeção nacional foi enorme, levando a que milhares de ‘forasteiros’ – como dizem os habitantes da pequena aldeia – lá se deslocassem na altura do certame.

Aqueles que eram os tradicionais festejos em honra da padroeira, Nossa Senhora da Saúde, começaram a ganhar outros contornos. Aliás… Ganharam flores. As ruas do Pereiro passaram a ser ornamentadas pela população, no âmbito das cerimónias religiosas algures na década de 40 do século XX.

A tradição começa por enfeitar as ruas com arcos e bandeiras, até que, anos mais tarde, começam a surgir as ornamentações com flores de papel.

“Uma forma de assinalar a passagem da procissão da padroeira”, momento em que todos os moradores enfeitavam as suas portas e fachadas.

Com algumas ameaças da chuva em pleno mês de agosto, eis que se introduzem as flores de plástico. Mais duradouras, com outro tipo de maleabilidade. E com todas as cores possíveis e imaginárias. E já que as decorações duravam mais tempo… Os festejos também podiam seguir.

Aqui, o segredo é a boa-vontade e a criatividade dos poucos habitantes, já de certa idade, que desejam continuar a alegrar a vista de quem os visita.

“Trata-se de uma tarefa que exige um trabalho laborioso praticado ao longo do ano por parte de muita gente que sente orgulho na sua aldeia e luta para que ela permaneça uma “aldeia viva”, palavras de António Maia, vice-presidente da Associação Desportiva e Cultural do Pereiro.

Nuno Neto, presidente da mesma Associação, responsável pela organização do evento, acredita que “o grande evento que a Associação desenvolve são os seus festejos e as Ruas Enfeitadas”. Para o responsável este é o momento que exige aos habitantes “muito trabalho, muita dedicação”.

A vontade da associação é continuar a desenvolver este seu “projeto”, que orgulha “e dá vida a esta terra”.

Este foi um ano em cheio para o Pereiro de Mação, sendo que a 16 de fevereiro foi submetida candidatura às “7 Maravilhas de Portugal – Aldeias de Portugal”, pelo vice-presidente da associação, António João Maia. Porém, a aldeia não ficou entre as 7 pré-finalistas na categoria de ‘Aldeias rurais’ num global de 49 pré-finalistas a votação até agosto, seguindo-se as 14 finalistas das quais se irão apurar apenas 7 no dia 3 de setembro.

Mas não fica por aqui, pois também este ano, em finais de março, o município de Mação, através dos serviços do Museu Municipal, entregou à Associação Desportiva e Cultural do Pereiro de Mação um Dossier de Pedido de Inventário a Património Cultural Imaterial da Romaria da Senhora da Saúde e Suas Ruas Enfeitadas, após esta associação ter solicitado apoio, no âmbito do Apoio às Associações, para preparação da Candidatura.

O estudo e levantamento para a candidatura foi feito pelos técnicos do Museu Municipal e analisado pelos membros da referida associação, seguindo-se apresentação à Direção Geral do Património Cultural para análise. Aguardemos o desfecho de mais um projeto desta pequena aldeia, que não baixa os braços perante um futuro pouco risonho em termos de sustentabilidade.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

3 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns ao MÉDIOTEJO.net por esta magnífica notícia. Ela espelha exactamente o que se tem passado nesta linda aldeia. Este ano voltam as ruas enfeitadas de 22 a 27 de Agosto. As tradicionais festas em honra da padroeira Nossa Senhora da Saúde vão ter lugar de 25 a 27. Aproveitamos para convidar toda a gente a visitar a nossa aldeia e deliciar-se com as nossas lindas e renovadas com muitas novidades ruas enfeitadas e as festas…

    • Aquilo não tem jeito nenhum, como todos os anos, não tem organização nenhuma. Cafés fechados não existe restaurantes, pessoas cheias de sede tem que se deslocar para a cidade para comer e beber….. no primeiro ano autocarros cheios de pessoas a voltar para traz porque n existe nada lá.
      Enfim, aquilo não é rio maior, é uma amostra …

      • Concordo plenamente, fui lá o primeiro ano e idosos sem água e comida, organização muito fraca.
        Pessoas sem almoço ou jantar, podiam noticiar o que verdadeiramente aquilo é, uma iminatacao rasca de rio maior, vá uma rua….

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome

- Publicidade -