Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Novembro 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Especial Abrantes | Retrato das Freguesias: Rio de Moinhos

No âmbito das Festas da Cidade de Abrantes, que assinala no dia 14 de junho o seu centésimo primeiro aniversário de elevação a Cidade, o mediotejo.net visita o Concelho, dando a conhecer um pouco da história de cada uma das 13 freguesias que o compõem.

Em tempos idos Rio de Moinhos teria o nome de Ribeira dos Moinhos, devido à existência das inúmeras azenhas e moinhos ao longo da ribeira até desaguar no Tejo, num curso de 8Km que alimenta um vale fértil. Pela localização à beira rio supõe-se que os seus primeiros habitantes tenham sido pescadores.

Foto: JF Rio de Moinhos

A freguesia está situada na parte ocidental do concelho, a norte do rio Tejo. Tem como vizinhos o concelho de Constância a oeste, a Aldeia do Mato e Souto a norte, a cidade de Abrantes a leste e Tramagal a sul. É ribeirinha à margem direita do rio Tejo, ao longo do limite com o Tramagal.

Tem a palavra… Rui André, 46 anos, no cargo de Presidente da Junta desde 2013. Já tinha ocupado este cargo entre 2005 e 2009 tendo sido ainda Presidente da Assembleia de Freguesia entre 2001 e 2005. A lista eleita para o executivo é formada por independentes, apoiada pelo PSD.

O que tem de melhor e de pior a sua freguesia?
Melhor: Rio de Moinhos é uma freguesia à beira rio plantada, com uma rica e vasta história, com uma grandiosa beleza paisagística, onde ainda perduram diversos saberes ancestrais (doçaria, gastronomia, agricultura…).
Pior: A população está a diminuir e está envelhecida. Os jovens não se conseguem fixar pela falta de oportunidades (emprego, habitação…).

Como tem sido a relação da Junta de Freguesia com a Câmara Municipal?
Existe uma boa relação, assim como boas parcerias com o executivo da câmara e todos os seus colaboradores. No entanto, o trabalho e a filosofia do executivo desta Junta de Freguesia pauta-se por uma gestão autónoma, aberta a todas as parcerias cujo objetivo seja a melhoria do bem-estar da sua população.

Que dificuldades sente na gestão da freguesia?
A escassez de financiamentos e de recursos humanos são os principais problemas, tendo em conta a diversidade e quantidade de competências desta autarquia.

O que é mais gratificante no cargo de presidente de junta?
Poder ajudar a minha freguesia, e, claro, os meus fregueses a ter uma vida com mais qualidade. Respeitar a história, o passado e construir um futuro mais risonho sempre na esperança de que amanhã seja melhor. Sentir que sou útil para melhorar a vida das pessoas é, de fato, muito gratificante. Com o tempo aprendi a olhar, a respeitar cada pessoa, somos todos diferentes, mas todos temos algo em comum… querer o melhor para a nossa terra e para o nosso povo.

Complete a frase: Não gostaria de terminar o meu mandato sem… escrever um livro sobre a minha freguesia, sobre a minha terra. Como dizia António Vieira: “O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive.” Acredito que tenho algo para devolver à minha terra, à minha freguesia por tudo aquilo que me deu: força, vida, esperança, respeito, tolerância e sobretudo o acreditar que aquilo que semeio hoje terá resultados amanhã.

Retrato da Freguesia

Orago: Santa Eufémia
Localidades: Rio de Moinhos; Amoreira; Pucariça; Aldeinha; Arco; Braçal
Área: 20,06 Km2
População: 1.199 habitantes

Ordenação heráldica do brasão: 24 de maio de 2006

Descrição do brasão:
Escudo de azul, barco de ouro mastreado e cordoado do mesmo, realçado de vermelho e vestido de prata, navegando em campanha diminuta de três tiras ondeadas de prata e azul; em chefe, duas mós de moínho de prata, abertas do campo. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: “RIO de MOINHOS – ABRANTES”.

Comecei numa das primeiras rádios locais do País, nos idos anos ‘80, passei pelas (então) novas áreas da informática, a par dos estudos da faculdade, e dediquei duas décadas à banca de investimento, até a Troika decidir mudar-me a vida. Troquei a capital por Abrantes e os números pelas letras. Não gosto do acordo ortográfico, continuarei a usar os "P" e dos "C", mesmo que não se leiam. A par da gestão e produção de vários projetos do grupo editorial do mediotejo.net fui desenvolvendo uma receita de compota de pimento que foi premiada em 2017 pela Inov’Linea e dois anos depois abri um espaço de restauração no centro histórico de Abrantes onde sirvo diariamente refeições com dois ingredientes especiais: amor e carinho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome

- Publicidade -