Escolas | Diretores temem atrasos no programa de distribuição de computadores pelos alunos

Diretores temem atrasos no programa de distribuição de computadores pelos alunos. (imagem ilustrativa). Créditos: Pixabay

Diretores das escolas temem atrasos no arranque do programa Escola Digital que prevê a distribuição de computadores por alunos no próximo ano letivo, que começa dentro de um mês. Por outro lado, as escolas já receberam as verbas para comprar as máscaras que irão distribuir gratuitamente pelos alunos e funcionários para que ninguém fique impedido de entrar nos estabelecimentos de ensino.

PUB

“Gostaríamos que no início de setembro fossem distribuídos pelo menos entre os alunos com mais necessidades os meios necessários para que consigam continuar ligados à escola caso seja preciso voltar ao ensino à distância”, disse à Lusa Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP).

O próximo ano letivo começa entre 14 e 17 de setembro mas volta a ser um ano ameaçado pela pandemia de covid-19, com as escolas a terem planos preparados para o caso de ser preciso avançar para um modelo de ensino misto ou mesmo 100% à distância, como aconteceu em março.

“Gostaríamos que caso tenhamos de regressar ao ensino à distância, os alunos não fossem novamente prejudicados, mas diria que o tempo começa já a ser escasso”, alertou por seu turno Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), em declarações à Lusa.

A evolução dos casos de contágio em março levou ao encerramento de todas as escolas e à substituição repentina das aulas presenciais pelo ensino à distância.

O ensino à distância deixou milhares de alunos desligados das escolas, uma vez que não tinham equipamentos ou ligações para acompanhar as aulas.

O primeiro-ministro prometeu então que no início deste novo ano letivo estaria “assegurada a universalidade do acesso em plataforma digital, rede e equipamento para todos os alunos do ensino básico e secundário”.

Só nas escolas públicas, há cerca de 1,2 milhões os estudantes inscritos.

Em meados de julho, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou uma verba de 400 milhões de euros para o programa Escola Digital que prevê, entre outras medidas, a distribuição de equipamentos por alunos e docentes.

“Para já não temos qualquer novidade sobre a Escola Digital, mas espero que haja, entretanto. O que sabemos é que este tipo de concursos é muito complicado, porque envolve muito dinheiro”, afirmou Filinto Lima, também diretor do Agrupamento de Escolas Dr. Costa Matos, em Vila Nova de Gaia, em declarações à Lusa.

 A ideia foi corroborada por Manuel Pereira que lembrou que é preciso encontrar empresas com capacidade para disponibilizar muitos equipamentos: “São concursos muito morosos e complicados”, concluiu.

A Lusa questionou o gabinete do Ministério da Educação que explicou que o processo está a correr, mas que não existem ainda novidades.

 “Gostava que os lares dos alunos, que estão identificados pela escolas, fossem dotados de computadores”, afirmou Filinto Lima.

Para este representante dos diretores, a atribuição de computadores deve ser feita à semelhança do que já acontece com a distribuição dos manuais escolares: É gratuito, mas a título de empréstimo.

A Escola Digital prevê a aquisição de computadores, conectividades e serviços para dotar as escolas públicas de meios necessários que permitam a alunos e professores aceder e utilizar recursos didáticos e educativos digitais.

As medidas serão implementadas em diferentes fases, sendo que a primeira é precisamente a aquisição de computadores, segundo explicou o ministro há cerca de um mês.

Não sendo possível distribuir simultaneamente a todos, a prioridade será dada aos alunos abrangidos pela ação social, até se conseguir chegar à universalidade da medida.

O programa prevê também um plano para capacitação digital dos docentes.

A ideia de aumentar a conectividade e acesso das escolas à internet e dotá-las de recursos que promovam a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares estava já prevista no Programa do Governo.

Escolas já receberam verba para comprar máscaras para alunos e funcionários

As escolas já receberam as verbas para comprar as máscaras que irão distribuir gratuitamente pelos alunos e funcionários e alguns estabelecimentos de ensino estão a planear ter equipamentos extra para que ninguém fique impedido de entrar na escola. Dentro de um mês, quando o novo ano letivo começar, só os alunos mais pequenos vão conseguir entrar na escola sem máscara, já que a partir do 2.º ciclo, o seu uso é obrigatório.

“A máscara vai ser o material escolar mais importante, porque sem ela, ficam impedidos de entrar na escola. Os manuais são essenciais, mas conseguem entrar na escola se os deixarem em casa, o mesmo não vai acontecer com a máscara”, alertou Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), em declarações à Lusa.

PUB

Segundo números avançados pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, o Governo vai gastar cerca de sete milhões de euros para garantir máscaras e outros equipamentos de proteção individual às escolas para o regresso às aulas em setembro.

As escolas já receberam as verbas para comprar o material que será disponibilizado gratuitamente pelos alunos e funcionários: será um ‘kit’ com três máscaras laváveis que servirão para o primeiro período de aulas, uma vez que “cada máscara pode ser lavada 25 vezes”, explicou Filinto Lima.

PUB
Escolas já receberam verba para comprar máscaras para alunos e funcionários. Foto: DR

Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional dos Dirigentes Escolares (ANDE), acrescentou que é preciso abrir concursos públicos para escolher a empresa a quem irão comprar as máscaras e outros materiais, acreditando que dentro de um mês estará tudo pronto para receber os alunos em segurança.

Para garantir que ninguém fica impedido de entrar no recinto escolar, as direções já estão a planear soluções, tais como ter máscaras na papelaria da escola.

Além das máscaras, quando as aulas começarem, as escolas terão também equipamentos individuais de proteção, que vão desde aventais a luvas e viseiras a soluções à base de álcool.

Os equipamentos de proteção individual também já tinham sido garantidos no final do passado ano letivo, quando as escolas reabriram para receber os alunos do 11.º e 12.º anos de escolaridade.

As aulas do próximo ano letivo começam entre os dias 14 e 17 de setembro, estando previsto um arranque com ensino presencial, mas as escolas estão a preparar-se para o caso de terem de avançar para um sistema de ensino misto ou à distância, consoante a evolução da pandemia de covid-19.

PUB

No passado ano letivo, o Governo decidiu encerrar todos os estabelecimentos de ensino e em meados de março os alunos deixaram de ter aulas presenciais e passaram a ter à distância.

Apenas os estudantes mais velhos – do 11.º e 12.º anos – regressaram às escolas no terceiro período para voltar a ter aulas presenciais.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here