PUB

“EPDRA”, por Armando Fernandes

Corria o ano de 1983 em direcção à sua finitude quando o Sr. José Dinis, no seu consultório dentário, onde com o senhor seu pai exercia, tal como José Joaquim, o ofício de Tiradentes, me apresentou o Engenheiro José Mingocho de Abreu, na altura professor no Liceu, rebaptizado pela sanha de um igualitarismo por baixo de Escola Manuel Fernandes. Da apresentação à amizade, foi um repente (derrepente) fortalecido até aos dias de hoje.

Desde esse já longínquo ano que o «Zé Abreu» sempre demonstrou um enorme apego à agricultura no sentido de cultivo não só dos campos, também dos espíritos na plena assumpção do profundo entendimento de Paideia. Por assim ser, e foi, após porfiada e longa gestação onde não faltaram o sangue, suor e lágrimas ao estilo do Estadista inglês, logrou criar a Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes, edificada na herdade da Murteira, na periferia de Abrantes.

Concluída a tarefa, lançados cursos e caboucos de futuras produções agrícolas aceitou um honroso convite para lançar o ensino das práticas da milenar arte de arrotear campos em Moçambique e, de igual modo, se salientou na qualidade de gestor, professor e formador.

PUB

Pois bem, há dias, tive o ensejo de degustar dois vinhos gerados nessa Escola Profissional, os tintos das colheitas de 2017, 2018.

Trata-se de dois vinhos que registo de modo a quebrar o cânone de apreciação crítica, colocando a ênfase nas suas virtudes organolépticas, apelido de tintos donairosos, rústicos ao modo como o poeta Virgílio e o sábio catedrático Joaquim da Natividade entendiam a rusticidade. No tocante às acima referidas qualidades escrevo: debaixo do manto diáfono da fantasia, a nudez forte de uma dupla de vinhos saborosos, logo apelativos e tentadores à desmesura, com notas de xisto argiloso e aromas vegetais perfumados.

A EPDRA também esta a produzir vinhos brancos, licorosos, frutas e azeites. O visionarismo prático de José Abreu está a cumprir-se! Fico feliz.

PS. As produções são reduzidas.

PUB
Armando Fernandes
Armando Fernandes é um gastrónomo dedicado, estudioso das raízes culturais do que chega à nossa mesa. Já publicou vários livros sobre o tema e o seu "À Mesa em Mação", editado em 2014, ganhou o Prémio Internacional de Literatura Gastronómica ("Prix de la Littérature Gastronomique"), atribuído em Paris. Escreve no mediotejo.net aos domingos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).