Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento | Remodelação do Cineteatro S. João entra em nova fase

A aprovação da abertura do concurso público para a empreitada do Cineteatro S. João na reunião do executivo municipal desta segunda-feira, dia 4, leva a remodelação deste espaço cultural torna mais próxima a reabertura da sala de espetáculos mais emblemática do concelho.

As obras envolvem um investimento de um milhão e 460 mil euros (+ IVA) incluem a substituição do telhado em amianto e da iluminação existente por uma mais eficiente e a conversão de um edifício contíguo numa zona de apoio e um pequeno auditório.

A abertura do concurso público recolheu os votos favoráveis da maioria e abstenção do PSD, tendo Rui Gonçalves questionado Jorge Faria sobre o aumento de quase meio milhão sobre o valor indicado no orçamento municipal aprovado pelo executivo a 31 de outubro e pela Assembleia Municipal a 30 de novembro.

O presidente da autarquia justificou a subida com o desajustamento das estimativas orçamentais constantes no projeto do anterior executivo, que rondavam os 900 mil euros.

Os documentos que servem de base ao concurso público foram consultados pelo executivo durante a reunião em que Jorge Faria referiu que a empreitada terá um prazo de execução de 360 dias e que terá recebido uma informação informal do presidente da CCDR sobre a aprovação do financiamento comunitário. O processo, contudo, só poderá ser iniciado após o visto favorável do Tribunal de Contas.

As obras, na ordem de 1,5 milhões de euros (1.460,420€), dotarão a sala com as condições de segurança e técnicas exigidas para a realização regular de espetáculos culturais e o edifício contíguo, recentemente adquirido pelo município, servirá de espaço de apoio e incluirá um pequeno auditório.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome