- Publicidade -

Segunda-feira, Dezembro 6, 2021
- Publicidade -

Entroncamento | PSD não concorda com a nomeação de Carlos Amaro (PS) para vereador a tempo inteiro

Foi durante a primeira reunião ordinária do Órgão Executivo Municipal do Entroncamento eleito para o quadriénio 2021/2025 que o presidente Jorge Faria (PS) fez saber que, além de Ilda Joaquim, vai propor Carlos Amaro (PS) para vereador a tempo inteiro. O PSD é contra a proposta, considerando que isso “não expressa a vontade dos eleitores”.

- Publicidade -

Na reunião que decorreu na tarde de sexta-feira, 15 de outubro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, no Entroncamento, foi proposto pelo reeleito presidente da Câmara Municipal, Jorge Faria, a nomeação de outro vereador a tempo inteiro, além de Ilda Joaquim. A proposta foi aprovada com três votos a favor (PS), três contra (PSD) e uma abstenção (Chega), tendo o voto de qualidade do presidente decidido a questão.

Após ter sido questionado por Rui Gonçalves (PSD), Jorge Faria fez saber que seria Carlos Amaro (PS) o outro vereador a tempo inteiro que vai propor. O PSD manifestou-se então contra esta proposta.

- Publicidade -

Em comunicado, os vereadores afetos ao Partido Social Democrata dizem que a nomeação de Carlos Amaro para vereador a tempo inteiro “não é realista”. Apesar de se considerar o vereador Carlos Amaro “merecedor de simpatia e consideração pessoal”, os vereadores do PSD discordam da proposta da sua nomeação para a vereação a tempo inteiro “pois a representatividade do Partido Socialista neste executivo não está de acordo com a expressão dos resultados eleitorais verificados nas últimas eleições autárquicas do passado dia 26” de setembro.

A primeira reunião ordinária do Órgão Executivo Municipal do Entroncamento eleito para o quadriénio 2021/2025 decorreu no dia 15 de outubro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

Ainda na mesma reunião, referente ao ponto da “Delegação de Competências” da Ordem de Trabalhos, Luís Forinho (Chega) disse que a proposta de Jorge Faria coloca diversas competências numa só pessoa, o próprio presidente do município, e que estas deviam ser mais repartidas entre os vereadores.

Já Rui Madeira (PSD) diz que a delegação de competências e a atribuição de uma vereação, como foram propostas, representa uma enorme concentração de poderes, que parece excessivo, e que não reflete o que foi a “vontade expressa das pessoas”, pelo que disse que o PSD tem “reservas” à forma como a delegação de competências foi apresentada.

O presidente da Câmara, Jorge Faria, dizendo que não se revê na intervenção de Rui Madeira, acrescentou que estava aberto a sugestões.

O vereador eleito pelo Chega, Luís Forinho, propôs que fosse dado mais tempo para que se pudesse perceber melhor o que são as 31 delegações de competências que foram colocadas à consideração, pelo que o presidente Jorge Faria tomou da palavra para afirmar que pela discussão concluiu que era melhor retirar a proposta, para que esta seja melhor estudada e depois discutida e votada na próxima reunião.

Acrescentando que a intenção foi unicamente a de facilitar a questão, Jorge Faria incitou depois os restantes elementos do órgão executivo municipal a apresentarem propostas e alterações no próximo dia 2 de novembro, data da próxima reunião.

NOTÍCIA RELACIONADA

Entroncamento | Órgãos autárquicos tomaram posse para um ciclo político de “grandes desafios” (C/ÁUDIO)

Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo. Ávido leitor, não dispensa no entanto um bom filme e um bom serão na companhia dos amigos.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome