Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento | Pingo Doce instala novo posto de combustíveis na cidade

A Câmara do Entroncamento aprovou a construção de um posto de combustíveis junto ao recém-inaugurado hipermercado Pingo Doce, junto à zona desportiva. A decisão foi tomada por maioria na reunião do Executivo do dia 3 de agosto, realizada por videoconferência, e mereceu a discordância da eleita do Bloco de Esquerda, Sara Florindo.

- Publicidade -

Trata-se de um edifício integrado que inclui, além do posto de combustíveis, uma loja de conveniência e um edifício de lavagem de automóveis, investimento da empresa Marketdoce, SA.

Para o Presidente da Câmara, a instalação da superfície comercial do Pingo Doce, inaugurada no dia 23 de julho, “veio beneficiar bastante aquela zona”, já a oposição levantou algumas dúvidas de âmbito ambiental e urbanístico.

- Publicidade -

O vereador José Miguel Baptista (PSD) manifestou-se contra a localização das bombas de gasolina no meio de uma zona residencial e sugeriu-se que se minimizassem os impactos, por exemplo a nível de ruído, para os moradores que estão mais próximos.

O presidente Jorge Faria (PS) garantiu que estão criadas as condições de segurança para o investimento, com respeito pelas normas legais.

Da parte do Bloco de Esquerda, a vereadora Sara Florindo manifestou o seu desagrado pela opção “que não dignifica a zona em que se insere”. Considera a “construção desenquadrada numa zona maioritariamente habitacional” que vem defraudar as expectativas dos moradores que optaram por ali residir.

Além disso, o seu partido defende a crescente descarbonização pelo que, havendo já três postos de combustível no Entroncamento, não considera ser a opção mais correta e questiona se estão asseguradas medidas de controlo de danos.

O processo foi aprovado com os favoráveis do PS e PSD e o voto contra do BE.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome