Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Julho 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento: Pedro Dyonysyo, o músico e o novo single “Summer Kiss”

“Summer Kiss” marca o regresso de Pedro Dyonysyo aos temas originais oito anos depois do álbum “Cópia Legal”. Conversámos com o músico em plena contagem decrescente para o lançamento do novo single na sua página oficial do facebook e decidimos começar, não pelo beijo de verão partilhado com os fãs na noite desta quinta-feira, dia 1, mas no dia em que recebeu o primeiro beijo da mãe, em pleno inverno.

- Publicidade -

Pedro Dyonysyo regressou aos temas originais oito anos depois do lançamento do álbum “Cópia Legal”. O videoclip do novo single, “Summer Kiss” foi partilhado na sua página oficial do facebook na noite desta quinta-feira e fala sobre o beijo que lhe mudou a vida. A letra de Gonçalo Serras inspira-se na história do próprio Pedro Dyonysyo e da esposa, Margarida Teixeira, a quem é dedicada a nova música.

A entrevista foi motivada pelo beijo de verão agora cantado em inglês e com música composta por ele, mas tem como ponto de partida o dia de inverno em que recebeu outro beijo marcante, o primeiro da mãe. A linha cronológica que une os dois beijos tem diversos momentos e escolhemos sete para conhecermos melhor o músico.

- Publicidade -

37 anos de vida

29 de dezembro de 1978 é o primeiro dia dos 37 anos de vida de Pedro Dyonysyo. “Mudou-se” do hospital de Torres Novas para o Entroncamento e foi na cidade ferroviária que descobriu o gosto pela sua “paixão” durante os concertos improvisados do músico, de quem hoje é amigo, nas festas de família.

Na altura tinha 12 anos e chegou a frequentar o Orfeão do Entroncamento durante um ano e meio, até as influências do rock n’ roll tocarem mais alto e as aulas de viola clássica darem lugar aos encontros com os amigos em garagens e jardins do Entroncamento.

25 anos de música

Um quarto de século em que foram surgindo os primeiros concertos, animações de eventos e a experiência como músico residente em bares como o Rock Café (Albufeira), Rocha da Palha (Armação de Pêra), Aquapólis (Abrantes) e Quinta das 3 Ribeiras (Vila Nova da Barquinha), entre outros. O que mudou deste então para quem se tenta afirmar a solo? Pedro Dyonysyo destaca a “mudança radical” trazida pela internet e a forma como se passou de “estar a ouvir as músicas e a escrever as letras” para downloads de “cinco segundos”.

O processo tornou-se “imediato”, mas a mística de procurar letras e acordes musicais não se perdeu. Deixa a nostalgia de parte porque “as místicas são para quem as vive no devido tempo” e assume que preferia “mil vezes ter o youtube nessa altura”.

20 anos de educação física

Sim, educação física. A escolha de Pedro Dyonysyo por um rumo profissional completamente diferente da música foi ponderada e aconselhada pelos professores do secundário em 1996. Uma vez terminada a licenciatura em Ciências do Desporto e Educação Física na Universidade de Coimbra os dias passaram a ter o ritmo das aulas de educação física que se manteve até aos dias de hoje, nos quais leciona em Alcanena.

A música era para “onde queria ir” e a educação física representava o “pilar, a profissão base” que lhe traria segurança financeira. O tempo dedicado a cada uma foi decidido logo na altura “tudo o que não fosse educação física seria para a música”.

8 anos de temas originais

Janeiro de 2008 foi o mês de estreia do músico em temas originais, lançados de forma gratuita no seu site com o mote “12 temas, 12 meses, 12 downloads” e resultaram no trabalho discográfico “Cópia Legal”.

A inspiração veio dos Radiohead que tinham lançado a versão digital para download do álbum “In Rainbows” no ano anterior (outubro de 2007), mas o principal motivo foi “impor uma meta a mim próprio” e terminar as muitas “músicas e ideias predefinidas que nunca acabava”. Uma experiência que acabaria por se relevar “muito intensa” e que Pedro Dyonysyo não pretende repetir.

1 ano de casamento

Se a música é a paixão, Margarida Teixeira é o amor. A nova música de Pedro Dyonysyo, com participação de Gonçalo Serras e Telmo Lourenço, inspira-se no encontro com ela em que surgiu o “Summer Kiss”. É aquele beijo que dá nome ao single e é ela quem o personifica no videoclip.

Margarida, com quem casou em julho do ano passado, é igualmente a razão pela qual o músico voltou “aos originais” e por isso diz ser “da mais inteira justiça” dedicar-lhe este tema original.

2 meses e meio de homenagem ao Entroncamento

A forte ligação à terra onde cresceu e vive atualmente foi revelada ao público durante as últimas Festas de São João e da Cidade com uma edição especial do tema “A Máquina”, lançado em 2008. A nova versão acústica assinala os 25 anos da elevação do Entroncamento a cidade e procura colmatar aquilo que Pedro Dyonysyo considera ser uma “falha” ao nível da escassez de trabalhos e referências culturais sobre o concelho.

O músico defende que os artistas são “os principais pilares para construirmos as histórias e tradições” do território com uma identidade recente e o legado deve ser deixado através de “obras palpáveis”, mesmo que a opção por temas menos comerciais represente um caminho mais tortuoso de afirmação musical.

4 horas para o lançamento de “Summer Kiss”

O “Summer Kiss” é, acima de tudo, uma partilha do lado íntimo do músico. Depois da homenagem à sua cidade, decidiu fazer o mesmo à pessoa com quem partilha a casa e a vida. O facto de lançar o single no primeiro dia do mês em que a estação mais quente do ano se despede não tira aquele beijo o sabor do verão.

O regresso aos temas originais oito anos após o lançamento de “Cópia Legal” não significa que esteja para breve um novo álbum. Pedro Dyonysyo não descarta a hipótese por completo, mas revela que “um álbum é uma coisa que dificilmente irá acontecer”. As razões são simples, o formato convencional está desatualizado e o tempo escasseia. A aposta reside agora no lançamento de singles online.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here