Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento | Novas tarifas da RSTJ vão representar aumento de 28% nas faturas já em 2021

A RSTJ, empresa intermunicipal de resíduos do Médio Tejo, aprovou novas tarifas para o quadriénio 2021-2024. Tarifas que o presidente do Município do Entroncamento considera “gravosas” e que se traduzem num aumento do valor nas faturas de 28% no concelho já a partir de 2021.

- Publicidade -

“As tarifas para estes anos relativamente ao tratamento de resíduos têm um aumento significativa”, começou por dizer o presidente da Câmara Municipal do Entroncamento, Jorge Faria (PS). As novas tarifas a aplicar já a partir de 2021 nos dez municípios aderentes a esta empresa intermunicipal foram levadas a reunião de Câmara para conhecimento.

Jorge Faria referiu que os novos valores se tratam de uma decisão da Assembleia Geral da RSTJ, “com base num estudo de viabilidade económica feito para ser presente ao regulador”.

- Publicidade -

“Foi um processo que gerou alguma discussão e quer o Município do Entroncamento, pela minha pessoa, quer o Município de Santarém, pela pessoa do presidente, votámos contra estas tarifas, contra o estudo que foi apresentado”, referiu Jorge Faria que sublinhou que ambos os municípios avaliaram o assunto e “quando votámos contra fizemo-lo de uma forma bastante consciente”. As tarifas foram, no entanto, aprovadas pelos restantes Municípios presentes na RSTJ. Com a aprovação destas novas tarifas existe em 2021 “um aumento de 28% à tarifa atual”, sublinhou Jorge Faria.

Apesar de ser contra um aumento que origina tarifas “gravosas”, o presidente da Câmara Municipal do Entroncamento referiu, em reunião do executivo municipal, que não vai para já haver uma reflexão sobre os preços a cobrar aos munícipes.

“Tivemos a ponderar e entendemos não o fazer porque temos vindo a fazer alguns investimentos de racionalização, de otimização nestas áreas”, justificou o autarca, dando como o exemplo a empreitada de intervenção na rede prevista de cerca de um milhão e duzentos mil euros que “nos vais trazer ao nível da água algumas poupanças com algum significado”.

“Temos consciência e temos a perceção dos investimentos que temos a vindo a fazer nestas áreas irão ter, num espaço de curto prazo, alguns ganhos de eficiência nessa matéria”, sublinhou o autarca.

Reunião de Câmara Municipal do Entroncamento, 2 de novembro 2020. Imagem: CME

Jorge Faria destacou ainda que hoje, no concelho, existe cerca de 40% de água que não é faturada. “Se nós conseguirmos reduzir este desperdício, aí teremos logo uma eficiência que nos permitirá, no conjunto das tarifas de água, saneamento e resíduos, que a fatura não tenha que aumentar”, explicou o autarca.

Perante isto, Jorge Faria concluiu que “há alguns investimentos que estão a dar fruto, alguns que vamos ainda fazer vão ainda contribuir para esse fruto e entendemos nesta fase não ser de alterar a tarifa porque ainda conseguimos estar dentro do limiar que é definido pelo regulador e temos a expectativa de que, no futuro próximo, possamos ter uma otimização a este nível”.

Do lado do PSD, o vereador social-democrata José Baptista admitiu que há que “fazer valer aquilo que é a razoabilidade. Isto vai fazer aumentar a fatura significativamente para os consumidores finais, portanto vamos que ter de tomar uma posição mais dura da parte do Município”. O vereador considera que o fundamento do aumento “levanta muitas dúvidas a muita gente, não sendo sequer convincente a justificação que é dada pelo Governo de motivar os consumidores finais a adotar comportamentos mais sustentáveis”.

Recorde-se que este ano ocorreu a transmissão da universalidade da Resitejo para a RSTJ – Gestão e Tratamento de Resíduos, EIM, S.A., passando a ser esta a entidade responsável pela recolha de resíduos nos concelhos de Alcanena, Chamusca, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Golegã, Torres Novas, Tomar, Santarém e Vila Nova da Barquinha.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome