- Publicidade -

Sexta-feira, Janeiro 21, 2022
- Publicidade -

Entroncamento | Indivíduo vê negada esmola e vandaliza presépio da Igreja da Sagrada Família

O presépio da Igreja da Sagrada Família, no Entroncamento, foi vandalizado este domingo após a habitual celebração da missa matinal. O ato foi cometido por um indivíduo do sexo masculino que momentos antes havia visto ser-lhe negado um pedido de esmola junto da sacristia. Em declarações ao mediotejo.net, o padre Luciano Oliveira admite que vai avançar com formalização de queixa na PSP.

- Publicidade -

“A pessoa que fez aquilo não estaria no seu perfeito juízo, penso eu. A pessoa estaria carente de alguma necessidade e terá descarregado por causa de um ‘não’. Fez aquilo por qualquer intenção mais profunda do seu psicológico, não faço ideia”, expõe ao nosso jornal o padre Luciano Oliveira, em reação ao incidente que aconteceu este domingo, 26 de dezembro, na Igreja da Sagrada Família.

Após a habitual celebração religiosa dominical das 09h30, um indivíduo do sexo masculino desconhecido pela comunidade – e que anteriormente havia estado a pedir esmola à porta da Igreja – deslocou-se até à sacristia para pedir dinheiro à zeladora presente no local.

- Publicidade -

“A senhora que lá estava a arrumar as coisas disse que ali não havia dinheiro e o senhor terá saído para a Igreja enquanto as outras pessoas ficaram a arrumar aparelhagens, papéis, etc”, relata o padre Luciano Oliveira, que na altura já não estava presente no local por ter de ir presidir outra celebração religiosa.

Após a saída da zeladora, a irmã Maria de Jesus Santos, e dos outros três elementos que cuidavam da Igreja, o indivíduo voltou a entrar no espaço (normalmente aberto durante o dia para acolher fiéis), tendo chamado a atenção da irmã que voltou atrás no sentido de perceber qual a intenção do homem.

- Publicidade -

“Ouviu-se um estrondo (…) e ele estava a fazer… aquele mal. Partiu as imagens do presépio, desfez o presépio”, conta o padre Luciano Oliveira, que sublinha o valor do mesmo: “Era um presépio já bastante antigo, em barro vidrado pintado, de origem italiana”.

Presépio junto ao altar da Igreja da Sagrada Família antes de ser destruído. Imagem: DR

Além da destruição das figuras do presépio, um munícipe refere ainda ao mediotejo.net a remoção de musgo, que foi “atirado em todas as direções” e a destruição de “três dos quatro recipientes de vidro contendo as velas do advento”. Ainda na zona do altar, há marcas de calçado na toalha que cobre o mesmo, a qual foi rasgada.

Apercebendo-se da presença de alguém no interior da Igreja, o indivíduo (que aparentava ter cerca de 40 anos) cessou com a vandalização do presépio, abandonando o local enquanto “pontapeava bancos e cadeiras e proferia palavrões”.

Nessa altura, a irmã Maria de Jesus Santos solicitou a um munícipe que passava na rua que ligasse para a Polícia de Segurança Pública, tendo o mesmo seguido o autor dos desacatos que acabou por ser identificado pela PSP próximo da Estação Ferroviária do Entroncamento.

Posteriormente, a força policial deslocou-se à Igreja para analisar os estragos e recolher provas fotográficas. Ao mediotejo.net, o padre Luciano Oliveira admite estar a preparar a apresentação de queixa formal junto das autoridades, sublinhando a importância de sinalizar casos semelhantes que “muitas vezes se ignoram porque acontecem e ninguém os narra”.

“No Entroncamento, temos isto praticamente de quando em vez. Em diversas ocasiões, e outros casos já tive eu, a gente telefona à polícia e eles vêm muito depois. A pé chega-se num instante, o Entroncamento é pequeno, de carro demoram quase meia hora. Não pode ser assim, teriam de ter outros meios para chegar”, aponta ainda o responsável pela Paróquia da Sagrada Família do Entroncamento.

Recorde-se que esta não é a primeira vez que acontecem incidentes deste género na Igreja da Sagrada Família. Há um ano, um indivíduo interrompeu a missa de domingo e subiu ao altar, insultando os fiéis e passando uma mensagem contra o cristianismo.

Abrantina com uma costela maçaense, rumou a Lisboa para se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome