Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento inaugura exposição “…Do Culto pela Imagem”, de Walter Reis

A Galeria Municipal do Entroncamento recebe de 8 a 20 de outubro, a exposição de pintura intitulada “…Do Culto pela Imagem”, da autoria de Walter Reis. A exposição será inaugurada este sábado, às 17:00, e poderá ser visitada de terça-feira a domingo das 15:00 às 19:00.

- Publicidade -

José Walter Corujo dos Reis, nasceu no Entroncamento a 4 de abril de 1950. Desde cedo se interessou pelas imagens e no tempo possível a fotografia preencheu essa vocação. No Colégio Mouzinho de Albuquerque, foi aluno de desenho do Professor Abílio Meireles. Combatente em Moçambique durante a guerra colonial, fotografou por conta e risco tudo o que foi possível.

No regresso, e no seguimento de um convívio de vários anos com o pintor Mota e Sousa, que viveu e trabalhou no Entroncamento, juntou à fotografia o gosto pela pintura a óleo, que está na origem dos trabalhos expostos.

- Publicidade -

Nos anos oitenta, promoveu vários cursos de fotografia com um grupo de amigos que formaram o G.A.F.E. – Grupo de Amadores de Fotografia do Entroncamento, que nunca chegou a ser oficializado. Realizaram, no entanto, várias exposições no Salão dos Bombeiros Voluntários do Entroncamento. Participou com exposições de pintura em várias amostras: Santarém, Chamusca, Entroncamento, Tancos e Torres Novas.

Ourives de profissão, reserva à imagem, fotografada ou pintada, o que as obrigações diárias lhe deixam em tempo livre. Por iniciativa do NAR – Núcleo de Arte de Riachos, tem sido possível divulgar os seus trabalhos em várias exposições no Entroncamento, Torres Novas e Riachos.

O evento é organizado pela Câmara Municipal do Entroncamento, no âmbito do Projeto DEVIR 2016.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here