Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Novembro 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento | Carlos Saramago expõe “Black and white drawings” na Entroncartes

A mostra de pintura “Black and white drawings”, da autoria de Carlos Saramago, vai estar exposta no Entroncamento a partir deste sábado, dia 9 de novembro, estando a sessão de inauguração agendada para as 16:00, na sede da Entroncartes – Associação Artística.

- Publicidade -

Com curadoria do professor e pintor Massimo Esposito, a exposição de Carlos Saramago estará patente ao público até ao dia 12 de dezembro.

Carlos Saramago nasceu em Abrantes em 1972 mas é em Mação que reside, onde é carinhosamente tratado por Litos. É um exemplo de persistência naquilo que mais gosta de fazer: pintar. Aos 16 anos saiu de Mação e foi sozinho para a Suíça como pintor da rua. Hoje tem 47 anos e é uma referência na pintura surrealista, sendo conhecido não só em Portugal como também na Suíça, em Itália e em Espanha, países que percorreu como artista plástico.

- Publicidade -

O facto de ser portador de uma doença grave (Epidermólise Bolhosa) que lhe afeta as mãos, não o impede de continuar a pintar. Quando não consegue segurar o pincel, utiliza as próprias mãos para criar as suas obras.

Em 2017, a Câmara de mação editou o livro “Carlos Saramago… de Mação para o Mundo”, que foi apresentado no último dia da feira do Livro e da 24ª Feira Mostra de Mação. O livro contém a reprodução de centenas de quadros de Saramago, que só a partir de 2007 começou a fotografar as suas obras. A publicação inclui também críticas de alguns colegas do mundo da pintura e de diretores de galerias.

Carlos Saramago assina um dos seus livros de fotografia. Foto: mediotejo.net

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome