Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento | Caminhos do Ferro levam cultura ao Bairro Camões e estação ferroviária

O Caminho do Ferro, primeiro momento de programação da rede de itinerância cultural “Caminhos”, atravessa o concelho entre os dias 12 e 16 de abril e entre as diversas paragens obrigatórias, sem necessidade de pagar bilhete, encontram-se o Bairro Camões e a estação ferroviária.

- Publicidade -

Os dois locais vão receber duas viagens culturais, sendo possível trilhar as memórias da ferrovia nos dias 12, 13 e 14, a partir das 15h00, pelos recantos deste bairro emblemático pela perspetiva singular da Companhia Teatro de Ferro com as visitas orientadas ao percurso artístico “Encontros no caminho. Os novos fenómenos do Entroncamento”.

Na quarta e quinta-feira, os caminhantes da cidade ferroviária podem seguir caminho até à estação e aguardar a chegada dos Xaral’s Dixie, marcada para as 19h00, para uma nova viagem, desta vez ao som do old jazz. O ritmo será outro no dia 15 com o espetáculo da Companhia Radar 360º, sentido na Praça Salgueiro Maia pelas 21h30, através dos cinco candeeiros humanos que convidam os presentes para dançar.

- Publicidade -

Neste caminho também passa o teatro e a 15 e 16, o Centro Cultural fica a conhecer o menino, o cão e o avô criados por Filipe Caldeira no espetáculo “O cão que corre atrás de mim (e o avô Elísio à janela)”, a partir das 17h30.

Os Caminhos do Ferro percorrem-se entre 11 e 16 de abril nos concelhos de Abrantes, Entroncamento, Mação, Tomar e Vila Nova da Barquinha. Até ao final do ano estão previstas novos “itinerários culturais” que envolvem os restantes concelhos do Médio Tejo, com os Caminhos da Água, associados à música (julho), e os Caminhos da Pedra, associados ao teatro (outubro).

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here