Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Novembro 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento | Alunos partilham a sua ‘Forma Natural’ da arte na galeria municipal

Os alunos que frequentam o 10º ano do Curso de Artes Visuais têm nos traços artísticos a sua forma natural de expressão e são esses que o público pode conhecer desde a passada sexta-feira, dia 29, na Galeria Municipal do Entroncamento. A exposição “Formas Naturais – Plantas e Flores” foi inaugurada ao final da tarde e as obras ficam patentes até ao dia 11 de abril, mostrando o trabalho desenvolvido nas aulas do docente Álvaro Santos durante o atual ano letivo.

- Publicidade -

Ana Carolina Dias, Bárbara Figueiredo, Camila Chambel, Carolina Farinha, Carolina Oliveira, Dalila Ribeiro, Daniela Sousa, Daniela Henriques, David Henriques, Diana Vicente, Filipa Carmona, Inês Baldeiras, Ivo Esteves, Kamila Jesus, Maria Beatriz Lopes, Maria João Graça, Mariana Pires, Mariana Ribeiro, Miguel Neves, Rafael Lopes, Raquel Avelino, Raquel Cardoso e Sofia Belo. São estes os nomes dos artistas que integram a exposição “Formas Naturais – Plantas e Flores”.

Os alunos-artistas marcaram presença. Foto: mediotejo.net

- Publicidade -

A mostra coletiva dos alunos do 10º ano do Curso de Artes Visuais foi inaugurada na passada sexta-feira e o público pode conhecer os traços artísticos destes jovens nos próximos dias (exceto à segunda-feira), entre as 15h00 e as 19h00. A Galeria Municipal do Entroncamento recebeu os primeiros visitantes, entre os quais estiveram elementos do executivo municipal e da direção do agrupamento de escolas.

No total, são mais de duas dezenas de estudantes orientados pelo professor Álvaro Santos nas aulas na Escola Secundária do Entroncamento, durante o atual ano letivo, com quem conversámos a poucos minutos da porta da galeria se abrir com a nova exposição. No dia anterior, tinha-se fechado com obras deste docente no interior uma vez que a sua exposição artística esteve patente até quinta-feira.

Intervenção do professor Álvaro Santos durante a inauguração. Foto: mediotejo.net

O livro de visitas passou a ser partilhado quando as “Imagens do Infinito” do formador passaram para as imagens ligadas à Natureza dos formandos. Coisas que Álvaro Santos diz ser “muito diferentes” pois espelham etapas distintas do percurso artístico. No ensino, refere, “há uma formação, uma aprendizagem a desenvolver e, mais tarde, há o ato criativo. Eu também tive essa formação, essa aprendizagem e agora pinto um determinado estilo, uma tendência que é resultado dessa evolução”.

O 10º ano é apontado como um período de “de embate” ao envolver a transição para o ensino secundário e implica trabalhar diversos aspetos mais básicos da evolução artística. A produção objetiva é um deles, assim como as noções de preto e branco e das cores, a abordagem das técnicas e dos materiais, entre outros.

Alguns dos trabalhos que podem ser visitados até dia 11 de abril. Foto: mediotejo.net

Diferentes passos do processo criativo que vai do 10º ao 12º ano, três anos em que partilha com os alunos a sua visão enquanto artista e no qual, admite, “os dois papéis se misturam”. A mensagem chega ao lado de quem aprende, refletindo-se no atual 10º ano que este ano “tem mais alunos do que é o normal”. Além disso, os trabalhos dos estudantes de Artes Visuais do concelho já pularam fronteiras locais e regionais, chegando a estar expostos na capital.

Por cá, vão-se tornando presença regular em alguns espaços públicos como resultado da colaboração entre o agrupamento de escolas e outras entidades, nomeadamente a Câmara Municipal do Entroncamento e a Junta de Freguesia de Nossa Senhora de Fátima. Outro vetor que parece fazer a diferença é a motivação de Álvaro Santos, que assume se exigente e gostar “de passar esta minha energia para eles”.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome