Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Entroncamento | 55% da iluminação pública vai ser substituída por LEDs

A substituição da atual iluminação pública por luminárias LED foi aprovada pelo executivo na reunião de câmara desta segunda-feira, dia 19, com um investimento na ordem dos 520.000€. A candidatura a fundos comunitários para a primeira fase, que abrange 55% do concelho, será apresentada até ao final deste mês e a autarquia prevê o início da substituição em abril do próximo ano.

- Publicidade -

A cidade vai ter iluminação pública eco-friendly com a substituição das luminárias existentes por LEDs em 55% do concelho. A primeira fase do projeto foi aprovada por unanimidade pelo executivo municipal na reunião camarária desta segunda-feira e envolve um investimento na ordem dos os 520.000€ (+ IVA).

Segundo Jorge Faria, presidente da autarquia, a medida permitirá reduzir “65% da energia e da potência instalada, o que tem um significado muito grande em termos de faturação da nossa iluminação pública”. A candidatura vai ser apresentada até ao final do mês, estando previsto o financiamento em 95% pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

- Publicidade -

A redução na emissão de CO2 também foi destacada pelo autarca ao mediotejo.net, que aponta o mês de abril de 2017 para o início da substituição das 2291 luminárias mais antigas do concelho. As “mais recentes e eficientes” serão substituídas numa segunda fase, ainda no próximo ano.

A medida é considerada pelo autarca como uma “responsabilidade” do município e integra outros investimentos realizados no âmbito da sustentabilidade ambiental, nomeadamente ao nível dos semáforos da cidade e edifícios camarários. O próximo espaço a ser tornado mais sustentável em termos ambientais é o parque de estacionamento subterrâneo da Praça Salgueiro Maia.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome