Entrevista | Bruno Neto, depois de duas quarentenas em África, devido ao Ébola: “Precisamos de travar esta luta todos juntos”

Aos 40 anos, Bruno Neto já trabalhou em 35 países, em quatro continentes, e será um dos raros portugueses que viveu dois períodos de quarentena em África, devido ao surto de Ébola, como coordenador de instituições médicas e de saúde pública na Serra Leoa e na República Democrática do Congo.

PUB

É difícil definir o que faz. De forma simplista, podemos dizer que é um misto de coordenador-de-equipas-diplomata-humanista, uma daquelas raras pessoas que consegue sorrir, pensar com cabeça fria em situações difíceis e, sobretudo, fazer acontecer.

Coordenou missões de grandes organizações internacionais como os Médicos do Mundo de Espanha, a Cáritas da República Checa, a Solthis francesa, além de ter liderado o movimento Pobreza Zero em Portugal. Foi condecorado pela Presidência da República como cavaleiro da Ordem da Liberdade pela sua determinada entrega aos outros, empenhado na construção de um mundo melhor.

PUB

A terceira quarentena da sua vida foi feita no Tramagal, em Abrantes, desde o dia 13 de março. A sua experiência dizia-lhe que iríamos necessitar de entrar num período de isolamento social, e quis por isso voltar “ao seu chão”, em vez de ficar em Lisboa. A sua mulher, a cantora Lika, tem usado o terraço da casa dos seus pais como palco, para levar ânimo a todos os que estão fechados em casa.

O facto de ter passado por duas outras crises de saúde pública muito graves – e com um vírus como o Ébola, que pode atingir os 90% de taxa de mortalidade –, não leva Bruno Neto a desvalorizar os perigos do Covid-19. Vivemos uma situação de pandemia (apenas a 5ª em mais de um século), e só há uma forma de estar nestas situações: respeitando as regras ditadas pelas autoridades de saúde pública e ficar, o mais possível, em isolamento.

PUB

“Esta luta só pode ser vencida se a travarmos todos juntos”, diz, e será muito importante reforçar o espírito de comunidade e de solidariedade, ajudando-nos uns aos outros.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here