“Enganaram os portugueses”, por Duarte Marques

A máscara que tem protegido a estratégia de António Costa começa a cair, a cada dia que passa. O seu governo está em desunião e hoje ficamos a saber que afinal o seu “melhor amigo”, o tal que trabalhava de borla, já tinha quase duzentos mil euros embolsados sem ninguém dar por ela agrave se ajustes directos com o governo (ver Correio da Manhã desta quinta-feira)

PUB

A apresentação do Programa de Estabilidade revela aquilo que o Primeiro-Ministro sempre escondeu com a complacência do PCP e do Bloco de Esquerda, o cenário macro-económico onde assenta a política do governo não é realista. Fica claro que a coligação de António Costa enganou os portugueses.

PSD, CDS, as diversas instituições internacionais e os mais reputados economistas portugueses bem avisaram que a estratégia de António Costa não era viável e que a economia ia sofrer com isso. Ora, as metas agora revistas em baixa pelo próprio Governo provam isso mesmo. A economia vai deixar de crescer, ao contrário dos últimos dois anos, a criação de emprego interrompe o seu ciclo de crescimento, e o país fica ainda mais exposto ao esfriar da economia internacional.

PUB

No meio de tudo isto, o Governo aumentou o imposto sobre os combustíveis, agravou o IRS pago pelas famílias, repôs feriados, reverteu concessões, acabou exames e deu sobretudo todos os sinais errados à nossa economia e aos investidores.

Depois de recusar várias vezes a necessidade de um Plano B, ainda com mais austeridade, vários membros do governo começam a assumir o inevitável face às decisões que tomaram. Ora, havia necessidade de mais austeridade? Era inevitável? Claro que era evitável, bastava o governo não ter reposto de imediato todas medidas, bastava não ter assustado os investidores com sinais errados, numa ânsia louca de agradar ao Bloco e ao PCP. Ou seja, mais austeridade é o preço a pagar pela política populista de António Costa e não nos espantará que este encontre uma nova narrativa para atirar essa responsabilidade para o governo que o antecedeu.

PUB

A terminar, não podia deixar de referir a lamentável sucessão de acontecimentos que levaram à demissão do Secretário de Estado da Juventude e Desporto, as suspeitas que ficam no ar são gravíssimas e muito preocupantes. Aguardo para saber se o Bloco de Esquerda, PCP e PS vão inviabilizar a audição do ex Sec Estado da Juventude tal com fizeram no início da semana com o ex Ministro João Soares, com a ERC e jornal Público.

De referir que, ao longo do último mandato, o PSD chamais impediu que algum ex membro do governo envolvido numa situação polémica deixasse de ser ouvido em audição parlamentar.

Aguardemos serenamente as cenas dos próximos capítulos.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub
Artigo anteriorTomar: Mercado Municipal com oferta de horários alargados
Próximo artigo“Onde estão os limites da exposição pública?”, por Hália Santos
Duarte Marques, 38 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros. Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here