Empresas, municípios e Politécnico juntam-se para criar 100 empresas na Lezíria em 2 anos

O projeto Incubar+Lezíria, hoje apresentado no Centro de Negócios e Inovação de Rio Maior, aposta na criação, em dois anos, de 100 novas empresas na região, 12 delas tecnológicas.

PUB

O projeto, com um financiamento global de 500.000 euros, resulta de uma parceria entre a Associação Empresarial da Região de Santarém (Nersant), o Agrocluster do Ribatejo e o Centro de Negócios (em representação das empresas), a Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT, em nome dos municípios) e o Instituto Politécnico de Santarém (pela academia).

A apresentação do projeto seguiu-se à aprovação da candidatura aos Sistemas de Incentivos a Ações Coletivas, instrumento de apoio indireto às empresas que visa a promoção de fatores de competitividade no âmbito do Portugal 2020 (acordo de parceria adotado entre Portugal e a União Europeia).

PUB

António Campos, administrador executivo da Nersant, salientou o “triângulo virtuoso” reunido na parceria – empresas, municípios e academia -, que, assegurou, irá permitir encontrar uma solução para quem quer que surja com uma ideia, da região ou de fora.

“Fala-se muito de empreendedorismo, mas é preciso ter ‘know-how’, trabalho feito […], maturidade, conhecimentos”, disse, salientando que o objetivo é conseguir que as empresas que venham a nascer no âmbito do projeto possam crescer.

PUB

Apostando no trabalho em rede, que os promotores querem ver reforçada com a entrada de mais parceiros, o projeto prevê ações de fomento ao empreendedorismo e geração de ideias inovadores, nomeadamente através da realização de concursos temáticos, que permitirão a atribuição de 12 bolsas, de uma campanha sobre as “vantagens de empreender na Lezíria” e de “bolsas de ideias”, com metodologias de validação técnica, tecnológica e empresarial das ideias.

O projeto inclui um eixo para a capacitação do empreendedor, da ideia e do projeto, com ações de formação e a criação de uma plataforma virtual para teste da ideia e de um simulador do negócio, estando ainda previstas ações de “potenciação das iniciativas empresariais”.

O objetivo é, em dois anos, trabalhar 200 ideias de negócios, permitir a criação de 100 novas empresas nos vários setores de atividade.

Doze delas deverão ser tecnológicas, estando prevista a atribuição de 12 bolsas para os três melhores projetos que concorram nas áreas da agroindústria e alimentação, saúde e bem-estar, cultura/criatividade e ambiente.

O projeto procura responder a fragilidades detetadas na região, como uma atividade empreendedora abaixo da média nacional, uma taxa de sobrevivência de novas empresas abaixo dos 50%, um índice de empresas nos setores tecnológicos e do conhecimento baixo, um perfil de empreendedor com pouca escolaridade e ações de apoio ao empreendedorismo não direcionadas para fileiras definidas como estratégicas para a região.

Como pontos fortes, o projeto conta com a experiência das entidades parceiras, nomeadamente pelo trabalho realizado pela Nersant (“líder a nível nacional no apoio à criação de empresas”) e pelo Agrocluster com as cinco escolas superiores que integram o IPS, a rede de apoio ao empreendedorismo existente nos municípios que integram a CIMLT, infraestruturas como o Centro de Negócios de Rio Maior e o Centro de Inovação Empresarial de Santarém e o potencial competitivo de vários setores de atividade na região.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here