Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Trincanela

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Empresa de Abrantes reafirma que obra no Tejo não tem implicações ambientais

A administração da Pegop, Central Termoelétrica instalada em Abrantes, assegurou hoje que a rampa para peixes no Tejo permanece operacional, apesar dos trabalhos de reparação de uma estrutura que atraavessa o rio.

- Publicidade -

Em comunicado enviado à agência Lusa, José Vieira, Diretor de Recursos Humanos da Pegop – Energia Eléctrica, dá conta que “a zona do travessão junto à margem norte do rio, onde se encontra a rampa para peixes, não foi alvo de qualquer intervenção e, portanto, mantém a sua operacionalidade, tal como tem ocorrido nos últimos 23 anos”.

Em causa está uma muralha de pedras que está a obstruir o rio Tejo, de margem a margem, na zona de Abrantes, entre as freguesias de Mouriscas e Pego, no distrito de Santarém, que não permite a passagem a subida de peixes para montante, nomeadamente para a zona ribeirinha de Ortiga, no concelho de Mação, tendo a Associação SOS Tejo anunciado hoje uma providência cautelar contra aquela obra e aquela empresa, em particular.

- Publicidade -

Rejeitando os “alarmismos e as preocupações ambientalistas” em torno desta reabilitação do travessão do rio Tejo, que considerou de “infundadas”, José Vieira disse que a obra em questão tem por objetivo “repor uma estrutura existente desde o início de operação da central”, há cerca de 23 anos, “e cujo bom funcionamento foi afetado pela sua rotura parcial”, notou.

“A reparação adotada corresponde ao preenchimento da abertura do travessão a uma cota igual à da estrutura original, sendo que, para acesso em segurança de viaturas à zona a reparar, o travessão foi reforçado na zona da margem Sul desde o início até a zona a intervir”, observou, tendo acrescentado que, após a conclusão da obra, a zona de estaleiro e acessos criados serão restabelecidos.

O responsável da Pegop insistiu que a obra em curso “não terá qualquer efeito adicional que afete a migração piscícola relativamente ao que tem ocorrido desde a construção do referido travessão”, tendo observado que o local foi hoje inspecionado pelo SEPNA/GNR, serviços de inspeção ambiental, tendo estes “constatado que a obra em execução está de acordo com o projeto, não se justificando alarmismos”.

O responsável da Pegop disse à Lusa que vai convidar os jornalistas e associações ambientalistas para visitarem o local no final dos trabalhos, que estimou para o final do mês de dezembro, tendo vincado que a obra “nunca foi nem nunca será um entrave à subida de peixes”.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here