Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

À Descoberta | Fim-de-semana em família… com tudo a que tem direito

Durante o mês de agosto os nossos jornalistas partilham as suas recomendações de passeios pela região. Por um fim de semana ou por mais dias, queremos que conheça um recanto de paz para um piquenique, um esconderijo de água cristalina para mergulhar, um mundo de aventuras para maravilhar os mais novos… Para quem é de fora ou para quem é de cá, sugerimos uma mão cheia de coisas boas que é pecado não aproveitar.

- Publicidade -

Ao longo do ano, as semanas com filhos pequenos são agitadas. Acorda-se de manhã e já se está a pensar no jantar enquanto se prepara o pequeno-almoço. Pelo meio, há viagens com paragens na(s) escola(s), no hipermercado e no emprego onde nos aguarda uma check-list interminável que, à primeira vista, parece não caber em 24 horas, mas que terá de se ajustar ao horário de trabalho.

Dia passado, regresso a casa e prepara-se o jantar já a pensar no pequeno-almoço da manhã seguinte. Dá-se um jeitinho aqui e ali a sonhar com uma governanta, ajuda-se nos TPCs e quando a cama começa a puxar o corpo, surge a festa das bonecas ou a corrida de carros. O descanso adiado é compensado pela brincadeira terapêutica apesar de termos bocejado algumas vezes às escondidas.

- Publicidade -

Feitas as contas, são escassas as horas que passamos em família. Por isso, o tempo partilhado deve ser de qualidade. A região do Médio Tejo tem inúmeras propostas para um fim-de-semana com os mais novos e escolhemos uma viagem com Arte, Natureza, Poesia, Desporto, História, Ciência e Tecnologia. Tudo isto sem esquecer os sabores locais que vão tornar o fim-de-semana prolongado (ainda) mais saboroso.

Barquinha Parque. Foto: DR

SEXTA-FEIRA
Relaxar à beira-rio entre raios de sol e arte

MANHÃ
A semana não terá deixado muito tempo livre para os preparativos, admita, e a manhã é dedicada a confirmar se nada fica para trás quando partirem depois de almoço. A cesta e a manta de piquenique são imprescindíveis e não precisa de garantir um menu gourmet. Uma passagem rápida por um hipermercado ou um restaurante que sirva para fora resolvem a questão e, nestes dias, importa mais o momento da partilha do que aquilo que é partilhado.

TARDE
Primeira etapa da viagem superada e, uma vez feito o check-in ou estacionada a auto-caravana, está na hora de um lanche ao pôr do sol no parque ribeirinho de Vila Nova da Barquinha entre as criações de artistas como Joana Vasconcelos e Rui Chafes. As obras são duas das 11 que dão outras cores ao espaço verde com parques infantis, grelhadores, mesas e esplanadas conhecido por Parque de Escultura Contemporânea Almourol. Também pode inspirar a veia artísticas dos mais novos seguindo o roteiro ARTEJO para conhecerem a arte urbana de Alexandre Farto (aka Vhils), Manuel João Vieira, Violant e Carlos Vicente espalhada pelo concelho.

NOITE
Os dias que se seguem vão ser intensos, por isso recomendamos um jantar calmo num dos restaurantes locais, que pode ter o sabor local do peixe do rio ou do resto do mundo, com paragem na Índia e no Brasil se for ao “Recanto”. Para terminar a noite, faça uma visita ao Tejo num passeio à beira-rio, que tanto pode ser na sede da vila ou junto do anfiteatro ribeirinho de Tancos, com vista para o concelho vizinho da Chamusca e próximo do Cais d’El Rei, onde começa a aventura da manhã seguinte. Deixamos uma dica para ajudar nos sonhos: envolve cavaleiros templários…

Castelo de Almourol, Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

SÁBADO
Manhã templária, tarde de voos e noite doce

MANHÃ
As primeiras horas são de conquista ao Castelo de Almourol, que guarda lendas de mouros e misticismo templário no interior das suas muralhas. Não precisa de cavalo, apenas de marcar previamente o passeio de barco até à pequena ilha, entre as 10h00 e as 13h00, onde se ergue a fortaleza militar que é Monumento Nacional. Pode optar pela embarcação da Junta de Freguesia de Tancos ou pela “Ninfa do Tejo”, movida a energia solar.

Borboletário (PASM). Foto: mediotejo.net

TARDE 1 | VOO COM BORBOLETAS
Está na hora de seguir com a família até ao concelho vizinho de Constância para uma tarde que vai “passar a voar” no Parque Ambiental de Santa Margarida. A manta e a cesta de piquenique voltam a ter uso no almoço junto do lago, equipamentos lúdicos e desportivos, jardim de plantas aromáticas e medicinais e do anfiteatro ao ar livre. A sobremesa perfeita é uma visita ao Borboletário Tropical, cujas visitas vespertinas se realizam de hora a hora, entre as 14h00 e as 17h00 (leve água consigo, vai sentir que está na Amazónia!)

TARDE 2 | VOO ATÉ ÀS ESTRELAS
Caso a curiosidade fale “mais alto”, pode seguir até às estrelas do Centro Ciência Viva de Constância, pouco depois do almoço num restaurante local. À tarde, o parque de astronomia está aberto entre as 15h00 e as 19h00 e, ao fim-de-semana, tem visitas orientadas às 15h15, 16h50 e 18h15 e sessões de planetário às 16h00 e 17h35. Atenção que os horários podem sofrer alterações, mas está assegurada a passagem pelo Lago Arquimedes e o avião que integra a exposição “Física do Voo – Avião a Jato T33”.

NOITE
Depois do check-in numa das unidades de alojamento local ou no renovado parque de campismo, aconselhamos um passeio noturno em família pelas ruas da vila de Constância, outrora percorridas por Camões. E porque na correria do dia-a-dia nem sempre sobra espaço para o romantismo, inspire-se nas palavras do poeta quando dizia que o “amor é fogo que arde sem se ver” e partilhe um “Queijinho do Céu” com a sua cara-metade. A relação fica abençoada pois este doce típico é confecionado pelas Irmãs Clarissas do Desagravo, no Mosteiro de Nossa Senhora da Boa Esperança (Montalvo), e vendido no Café da Praça.

Museu Nacional Ferroviário. Foto: mediotejo.net

DOMINGO
Todos a bordo até ao descanso do(s) Guerreiro(s)

MANHÃ 1 | A BORDO DE UMA CANOA
A manhã de domingo para os aventureiros (e crianças mais crescidas) é passada a “navegar” no rio Zêzere numa canoa e com embarque muito próximo da imponente Barragem de Castelo de Bode. Aqui pode “meter água” à vontade e existem inúmeras ofertas de empresas da região. Algumas incluem almoço, pelo que não terá de se preocupar com esse detalhe antes de seguir viagem.

MANHÃ 2 | A BORDO DE UM COMBOIO
“Atenção, senhores passageiros”, vai dar entrada na linha número um o comboio com destino a casa e a última paragem pode ser no Museu Nacional Ferroviário do Entroncamento. A Rotunda das Locomotivas a vapor e o Comboio Real fazem parte da paisagem e, a partir das 10h30, todos podem subir (literalmente) a bordo do minicomboio inspirado na Locomotiva CP 1424 e no Comboio Presidencial Português.

TARDE
Está na altura de partir para chegar a casa, antes da rotina regressar a impor o ritmo. O cansaço do corpo é compensado pelos sorrisos de miúdos e graúdos. Acreditamos que depressa irá regressar a fazer planos como este, pois estas são apenas algumas propostas de uma região do interior que fica “cá dentro”.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome