Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Terça-feira, Setembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Eleições | Dezanove partidos entregaram candidaturas para as legislativas em Santarém

Um total de 19 partidos entregaram no Tribunal de Santarém listas de candidatos às eleições legislativas de 06 de outubro, num distrito com 380.976 eleitores inscritos e que elege nove deputados.

- Publicidade -

Além dos partidos e coligações com deputados eleitos em 2015 – PSD/CDS, PS, BE e CDU -, foram entregues no Tribunal de Santarém listas de candidatos do PCTP-MRPP, PAN, PDR, Livre, PNR, Partido da Terra – MPT, Nós Cidadãos, PTP, PURP, PPM, Aliança, Chega, Iniciativa Liberal e RIR.

Nas legislativas de 2015, a coligação PPD-PSD/CDS-PP elegeu quatro deputados (35,8% dos votos), o PS três (32,9%), o BE um (10,8%) e a coligação PCP/PEV (CDU) um (9,6%).

- Publicidade -

Para as eleições de 06 de outubro, o Partido Social Democrata (PSD) aposta em Isaura Morais, a gestora de 53 anos que em agosto suspendeu o mandato de presidente da Câmara de Rio Maior, para o qual foi eleita pela primeira vez em 2013, seguindo-se na lista o presidente da distrital, João Moura (Ourém), o atual deputado Duarte Marques (Mação) e a consultora Sónia Quintino (Benavente).

A secretária de Estado da Educação, Alexandra Leitão, 46 anos, encabeça a lista do Partido Socialista por Santarém, seguindo-se o presidente da distrital, António Gameiro (Ourém), a secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, Maria do Céu Albuquerque (ex-presidente da Câmara de Abrantes), e o atual deputado Hugo Costa (Tomar).

O Bloco de Esquerda escolheu a professora Fabíola Cardoso, 46 anos (Santarém), para liderar uma lista que inclui ainda Roberto Barata (Torres Novas), Luís Gomes (Lisboa) e Ana Sofia Pereira (Torres Novas).

A CDU volta a apostar no atual deputado António Filipe, professor, 56 anos (Loures), seguindo-se João Madeira Lopes (Santarém), Júlia Amorim (Constância) e Ivo Santos (Alcanena).

A atual deputada eleita pela coligação PSD/CDS Patrícia Fonseca, engenheira agrónoma, 46 anos, lidera agora a lista do seu partido, Centro Democrático Social (CDS), que inclui ainda Rui Pereira (Ourém), Nelson Silva (Alvaiázere) e Rita Branco (Coruche).

O PCTP-MRPP, que em 2015 obteve 1,34% dos votos no distrito, candidata o reformado José Nobre, 62 anos, residente em Vila Nova da Barquinha, enquanto o PAN (1,2% em 2015) aposta no formador Pedro Machado, 40 anos (Ourém), e o PDR (1% em 2015) no engenheiro mecânico José Lopes, 69 anos (Lisboa).

O Livre, que em 2015 obteve 0,5% dos votos, volta a candidatar o gestor cultural Pedro Mendonça, 46 anos (Cartaxo), o PNR (0,5% em 2015) aposta novamente em Carlos Alberto Teles, reformado, 68 anos (Lisboa).

A lista do MPT (0,5% em 2015) é liderada por Vasco Gaião, empresário, 63 anos (Alcanena), a do Nós, Cidadãos (0,4% em 2015) pela advogada Ana Barradas, 48 anos (Lisboa), a do PTP (que em 2015 se candidatou coligado com o MAS obtendo 0,4% dos votos) pelo empresário Américo Costa, 56 anos (Tomar).

O PURP (0,4% em 2015) apresenta como cabeça de lista o reformado Evandre Francisco, 71 anos (Santarém), e o PPM (igualmente 0,4%) o empresário Luís Pombeiro, 57 anos (Lisboa).

Pelos partidos que se candidatam pela primeira vez, o Aliança apresenta o empresário agrícola Rui Sousa, 51 anos (Santarém) como cabeça de lista, a Iniciativa Liberal o gestor João Pita Soares, 31 anos (Coruche), o Chega o advogado Tiago Neves, 54 anos (Lisboa), e o RIR o psicólogo Carlos Oliveira, 52 anos (Loures).

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Entrega da Lista de Candidatos de Lisboa
    PCTP/MRPP não se furtou a fazer declarações!
    A candidatura do PCTP/MRPP por Lisboa enviou, três dias antes da apresentação da candidatura, uma nota a toda à imprensa em que divulgava o dia e a hora da apresentação da mesma, esperando que, pelo menos, neste período, houvesse uma equidade de tratamento por parte da comunicação social.
    No entanto, tal não aconteceu e, numa atitude provocatória, os jornalistas presentes não só ignoraram a nossa presença, quer à chegada, quer à saída do Tribunal, após a entrega da lista, como tentaram fazer crer, de uma forma intelectualmente desonesta e vergonhosa para o jornalismo, que teria sido o Partido quem não quis prestar declarações!…
    Ora, meus senhores, se o Partido não quisesse prestar declarações, por que razão teria anunciado com antecedência o dia e a hora de entrega da Lista?!
    Publicamos, em seguida, excertos da Nota enviada, logo nesse dia, a toda a imprensa e da carta enviada ao Sr. Director da Lusa.
    Como resposta, apenas o Director da Lusa pediu desculpa, através de telefonema, pela situação que eles próprios criaram.
    É este o jornalismo e os jornalistas que temos!
    NOTA À IMPRENSA
    Serve a presente para esclarecer esse órgão de informação que, ao contrário do que foi noticiado em nota da Lusa, a candidatura do PCTP/MRPP pelo círculo de Lisboa não prestou hoje declarações aos jornalistas à saída do Tribunal, não porque se tenha recusado a tal, mas pela simples razão de que nenhum dos órgãos de comunicação social presentes no Palácio de Justiça se dirigiu a qualquer dos membros da candidatura, o que não sucedeu com os dois restantes partidos que à mesma hora ali se encontravam, um deles abordado até antes de ter entrado nas instalações do Tribunal.
    Lisboa, 26AGO19
    A Comissão de Imprensa do PCTP/MRPP

    Excerto da carta enviada ao Director da Lusa
    (…) Pois sucedeu que, tal como já tivemos oportunidade de esclarecer, ninguém dessa agência se dirigiu à delegação do Partido que ali se deslocou, sendo totalmente falso, ao contrário do que a Lusa veiculou, que a mesma delegação de candidatos se tenha recusado ou furtado a prestar declarações a quem não se lhe dirigiu e preferiu gastar todo o tempo a entrevistar um partido – o Livre – que nem sequer ainda nessa altura se podia considerar, pelo menos formalmente, candidato ao círculo da capital, por não ter entregue em juízo a respectiva lista.
    Mas, o que mais preocupante se está a tornar é que, tendo a nossa candidatura distribuído, ontem mesmo, uma nota à imprensa, também enviada a essa agência, sobre as razões e linhas políticas gerais da participação do Partido nestas eleições, acompanhada de uma breve biografia da primeira candidata por Lisboa, fomos há pouco contactados por uma jornalista dessa agência, pedindo precisamente informação sobre o conteúdo dos aludidos documentos entretanto já enviados e, pelos vistos, ignorados. (…) Retirado do jornal online “Luta Popular”

Responder a estevesayres Cancelar resposta

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome