Terça-feira, Março 2, 2021

Editorial | O caso das vacinas e o perigo dos julgamentos apressados

Há casos em que não há meios-termos, e este é um deles: uma única vacina “desviada” chegaria para me revolver as entranhas. Todos os casos que sejam devidamente comprovados têm de ser sancionados pelas autoridades competentes e devem merecer o nosso repúdio moral. Posto isto, não podemos cair no excesso de apontar o dedo indiscriminadamente e de fazer julgamentos sumários em público com base em boatos e no diz-que-disse. 

- Publicidade -

A comunicação social tem nestes momentos uma responsabilidade acrescida – o que distingue uma notícia de um qualquer texto publicado numa rede social é o facto de os jornalistas estarem obrigados à confirmação das informações com diversas fontes, devendo também tentar, por todos os meios, ouvir os visados pelas notícias.

Além disso, é preciso dar contexto à informação e, não raras vezes, interpretá-la e descodificá-la, tornando assuntos complexos mais claros para o público. Nos casos em que fazemos o nosso trabalho mesmo bem, conseguimos até que os temas mais cinzentos (e que interessariam a poucos) cheguem ao grande público. Como nos ensinaram os velhos mestres da imprensa americana, é essa uma das principais missões do jornalismo: “tornar interessantes assuntos relevantes”.

- Publicidade -

No mediotejo.net recebemos muitas denúncias de leitores. É um sinal de confiança no nosso trabalho, e que agradecemos. Mas tal como temos a obrigação de manter o sigilo das fontes que nos enviam informações, essas mesmas “informações” nas mãos de um jornalista não podem ser mais do que pistas para seguir um caminho. O nosso trabalho é avaliar se valerá a pena o investimento (de tempo e de meios) para desbravar esse caminho e ver onde ele vai dar. Por vezes há notícia; noutras é só mesmo um beco sem saída.

Aos jornalistas cabe também a missão de procurar outros pontos de vista, olhar para os assuntos de outra perspectiva e questionar o que está em causa. Neste momento, é nosso dever averiguar e noticiar os abusos que possam ter acontecido no processo de vacinação para a covid-19 em diversas instituições, mas sem perder de vista o todo. E no todo há gente canalha, é certo, sempre houve. Mas há muito mais gente a fazer o que está certo – e a fazer até muito mais do que lhes compete, tantas vezes sem meios e com um esforço pessoal imenso, numa luta contra o tempo. Saibamos também agradecer-lhes, não misturando alhos com bugalhos. 

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).