“Economia portuguesa ressente-se”, por Duarte Marques

Duarte Marques é natural de Mação e deputado do PSD eleito por Santarém. Foto: DR

Os dados  revelados esta semana pelo INE na sua Síntese Mensal de Conjuntura apresentam-se claramente negativos com respeito à evolução do investimento na economia portuguesa.

PUB

PUB

O Indicador mensal de Formação Bruta de Capital Fixo do INE (a azul no gráfico em baixo), cujos valores são uma indicação razoavelmente segura do investimento em capital fixo, em contas nacionais (a laranja), caiu para 0,5% (variação homóloga) no último trimestre do ano, depois de ter marcado 12,4%, 8,4% e 6,0%, respetivamente no 1.º, 2.º  e 3.º trimestres, respetivamente. É assustador.

As variações homologas trimestrais do investimento em capital fixo (contas nacionais) foram de 11,3%, 8,2% e 5,8% no 1.º, 2.º e 3.º trimestres respetivamente, valores muito próximos dos do indicador mensal.  Uma desaceleração tão acentuada na variação homóloga do investimento fixo correspondeu a uma contração em cadeia no 2.º e 3.º trimestres (valores das colunas a cinzento), devendo a contração ter-se acentuado muito no 4.º trimestre do ano.

PUB

Assim, a economia terá terminado o ano de 2019 com o investimento em capital fixo em queda por 3 trimestres sucessivos. Em termos agregados, o investimento em capital fixo aumentou apenas nos 3 primeiros meses do ano passado, tendo desde então começado a cair – até ao final do ano, pelo menos. Um tão mau desempenho do investimento nos últimos 9 meses de 2019 compromete seriamente a possibilidade de se atingir a projeção contida no cenário macroeconómico do OE 2020, de um crescimento anual de 5,4%.

Inesperadamente, a projeção da OCDE, de um crescimento anual do investimento fixo de 1,2% em 2020, que inicialmente parecia demasiado desalinhada com as demais (BdP, CE, FMI) para ser plausível, passou a ser a mais provável.

Como o INE referiu (14 de fevereiro) na sua nota sobre a estimativa rápida de crescimento no 4.º trimestre (que deverá ser agora atualizada em 28 de fevereiro), o crescimento em cadeia nos últimos 3 meses do ano ficou a dever-se integralmente ao contributo da procura externa líquida (exportações menos importações), pois a procura interna deu um contributo negativo.

O que os dados hoje divulgados vêm esclarecer, é que a queda da procura interna se deveu exclusivamente à componente de investimento, devendo o consumo ter mantido uma dinâmica positiva.

Infelizmente, parece começar a ser difícil manter a ideia – muito positiva – de que o crescimento económico português tem assentado numa dinâmica muito favorável do investimento: é o contrário. O motor do investimento parece ter gripado, tendo sobrado o impulso do consumo e das exportações. É da maior importância acompanhar a evolução do investimento nos próximos meses, pois parece ter-se instalado uma dinâmica preocupante.

E, todavia, seria crucial que o investimento acelerasse, para que a produtividade possa descolar, ultrapassando o marasmo dos últimos anos.

Seria interessante ouvir o que o Ministro da Economia tem a dizer sobre  o panorama sombrio do investimento. O que está a penalizar a dinâmica do investimento em Portugal?

PUB
APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser), através do IBAN PT50001800034049703402024 (conta da Médio Tejo Edições) ou usar o MB Way, com o telefone 962 393 324.

PUB
Artigo anteriorAlcanena | Município quer “plano estratégico” para controlo da poluição
Próximo artigoEutanásia | Parlamento aprova na generalidade despenalização da morte medicamente assistida
Duarte Marques, 38 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros. Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here