Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Agosto 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Dois mil anos da falcoaria em exposição no Museu do Oriente

Uma exposição que percorre 2.000 anos da prática da falcoaria vai ser inaugurada na quinta-feira, 19 de novembro, no Museu do Oriente, em Lisboa, com 180 objetos e peças de arte que traçam o percurso desde o surgimento à atualidade.

- Publicidade -

De acordo com o museu, a exposição “A Arte da Falcoaria de Oriente a Ocidente” reúne pinturas, gravuras, esculturas, têxteis, azulejos e equipamentos, fotografias e vídeos provenientes de museus, fundações e colecionadores privados, nacionais e estrangeiros.

Nesta mostra, a arte do treino e caça com falcões é apresentada em seis núcleos, integrando 180 objetos e obras de arte, alguns dos quais nunca antes expostos ao público, parte deles referentes a Portugal.

- Publicidade -

Classificada em 2010 como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO, a falcoaria nasceu no continente asiático há 2.000 anos, acompanhando a sua expansão por toda a Europa, onde continua viva nos dias de hoje.

O primeiro núcleo da exposição – “Ornitologia e Falcoaria” – é uma introdução às espécies, características e estratégia de caça, com destaque para aves autóctones, como o falcão Tagarote ou a quase extinta águia Imperial, apresentada num exemplar naturalizado, do século XIX.

Na mostra, comissariada pela historiadora Natália Correia Guedes, são exibidos – pela primeira vez – desenhos de várias espécies destas aves, da autoria dos príncipes D. Pedro e D. Luís.

O núcleo “Falcoaria no Oriente – Prática Histórica” apresenta as origens do adestramento de falcões para a caça, uma tradição entre os beduínos nómadas do Norte de África como recurso alimentar, mas também, pelas cortes da Pérsia, Japão e China, como marca de distinção social.

Símbolo de beleza e altivez, o falcão surge representado nas artes decorativas e plásticas, como na Antologia de Iskandar, (Pérsia, 1410-1411) ou nas gravuras japonesas de Ando Hiroshige (Japão, século XIX).

As melhores aves eram oferecidas de presente a reis e príncipes, viajando entre cortes com um pequeno séquito, como se fossem embaixadores.

A prática histórica da falcoaria em Portugal e a atividade da Falcoaria de Salvaterra de Magos, desde meados do século XVI até à sua extinção em 1821, são exploradas nos núcleos seguintes.

São apresentados nesta exposição – patente até março de 2016 – vários equipamentos usados no treino do falcão, bem como na caça, a par de documentação histórica.

A falcoaria é uma prática que continua viva em mais de 60 países, que se traduz em saberes, objetos e vivências culturais, bem como um forte cariz ecológico, a exposição retrata a prática atual, na Ásia, do Turquemenistão a Marrocos, e Portugal, incluindo a aprendizagem entre as novas gerações e a atividade dos falcões no controlo aéreo.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome