Quarta-feira, Março 3, 2021
- Publicidade -


Dia de Tomar [1160-2017] | Retrato de Casais e Alviobeira

No âmbito do Dia de Tomar, que se celebra a 1 de março, o mediotejo.net publica um Suplemento Especial com reportagens, entrevistas e um passeio guiado pela cidade templária, traçando também o retrato das 11 freguesias que compõem o concelho.

Alminhas no lugar do Freixo nesta União das Freguesias de Casais e Alviobeira

O topónimo Casais (conjunto de casas) deriva da existência de pequenos lugarejos espalhados pela região. Primitivamente chamou-se Casais do Soianda, por referência ao lugar mais vizinho.

A nova unidade territorial que agrega Casais e Alviobeira resulta da reforma da divisão administrativa de 2013. Situa-se no norte do concelho de Tomar e confina com o concelho de Ferreira do Zêzere.

Até 1985 era um das maiores freguesias do concelho, altura que foi desagregada para se criar a freguesia de Além da Ribeira. Alviobeira ou S. Pedro de Alviobeira, como rezam documentos antigos, é um topónimo de origem árabe. É neste território que se situa o que resta do antigo castelo de Ceras, do tempo dos Templários.

Foto: DR

ENTREVISTA
Tem a palavra… João Luís Cardoso Alves, 56 anos, no cargo desde 2013, eleito pelo PSD

João Luís Cardoso Alves, presidente da Junta de Freguesia de Casais e Alviobeira. Foto: mediotejo.net

Pontes fortes e pontos fracos da freguesia?
O pior é a falta de saneamento básico, as  acessibilidades à sede de freguesia e a necessidade urgente de ampliação do cemitério. O melhor, o excelente Centro Escolar e as vias de comunicação em bom estado.
Como tem sido a relação da Junta de Freguesia com a Câmara de Tomar?
Tem sido uma relação de grande respeito institucional mútuo, que tem permitido efetuar algumas parcerias, na execução de algumas obras com excelentes benefícios para a freguesia.
Que dificuldades sente na gestão da freguesia?
Sobretudo, dificuldades de ordem financeira. No seguimento da legislação em vigor, foram delegadas nas juntas de freguesia algumas competências que não vieram acompanhadas com as verbas necessárias. No nosso caso, comparativamente ao mandato anterior, no somatório dos dois territórios (Casais e Alviobeira) foram-nos retirados cerca de 80 mil euros em 4 anos, o que para nós é extremamente penalizante.
Que implicações teve a agregação das freguesias no seu território?

Ao aumentar o território foi necessário aumentar o nosso parque de máquinas. Foi necessária a aquisição de uma retroescavadora e, por consequência, também aumentar o quadro de pessoal, na categoria de Assistente Operacional. Temos agora uma freguesia com quase 40 quilómetros quadrados e para dar resposta às solicitações dos fregueses em que todos os dias somos confrontados, tal tornou-se uma inevitabilidade. No entanto, essa medida ou essa decisão teve impacto positivo no território da União porque passamos a ter uma maior capacidade de resposta e, por conseguinte, é possível ir resolvendo as situações à medida que vão surgindo. Isso é muito positivo para as populações.

O que é mais gratificante no trabalho de presidente de junta?
A tarefa de presidente é tanto mais gratificante quanto mais conseguirmos resolver problemas aos nossos concidadãos, sempre que somos confrontados com os seus ensejos. Também o é quando conseguimos em cada ano atingir os objetivos a que o executivo se propõe em matéria de obras.

Não gostaria de terminar o meu mandato sem…
… iniciar as obras de ampliação do cemitério, alargar a estrada das Relvas que liga o Pintado ao Cemitério de Casais, terminar a Estrada do Pilão (Circular entre a Estrada do Prado e Fonte Galega/Bairro do Fôxo) e, finalmente, a construção do saneamento básico na freguesia, bem como algumas pavimentações que ainda estão em falta.

Orago
Nossa Senhora do Roque Amador

Área
28,2 Km2

Ordenação heráldica do brasão e bandeira
Publicada no Diário da República, III Série de 25/09/1995

ARMAS Escudo de verde, uma ponte romana de um arco de prata, lavrada de vermelho, movente dos flancos e de um contra-chefe ondeado de azul e prata e encimada de dois ramos de três espigas de ouro; em chefe, três lisonjas de prata, unidas e firmadas nos bordos. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco com a legenda a negro, em maiúsculas CASAIS – TOMAR

Orago
S. Pedro

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).