Crónica fotográfica, por Paulo Jorge de Sousa

Não é todos os dias que podemos sair do nosso percurso habitual de e para o trabalho por exemplo, para vermos outras particularidades do nosso território. Mesmo em percursos de lazer, temos tendência a ir diretos ao nosso primeiro objetivo, ao ponto onde pensámos ir e é para lá que apontamos as vontades.

PUB

No entanto, se sairmos um bocadinho apenas dessas rotas pré definidas, vamos deparando com paisagens que, embora as conheçamos bem porque as usamos regularmente, acabam por adquirir nova importância quando observadas de outro ponto de vista.

É o caso de uma pequena visita à localidade de Tancos. De lá, podemos ver onde se insere na paisagem, aquela estrada estreita que nos leva até a Barquinha e que conhecemos apenas pelas manobras cuidadas que temos de fazer quando nos cruzamos com outras viaturas.

PUB

Mas com um olhar mais atento, também podemos ver as várias vias de comunicação que se podem identificar ali, neste bocadinho de território tão pequeno: temos a via ferroviária, a rede viária, a via fluvial e a via aérea. Tudo ali junto num pequeno enquadramento.

E afinal o que nos falta para podermos usar isto tudo da melhor forma numa perspetiva mais sustentada de desenvolvimento do território local e regional?

PUB

Gente. Faz falta gente que use estes recursos quer numa perspetiva turística, quer numa perspetiva de o poderem habitar e torná-lo mais vivo.

Fotografia: Tancos, vista do Adro da Igreja Matriz, outubro de 2020

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -
Artigo anteriorFerreira do Zêzere | Livro “A terra que o Zêzere escondeu” baseia-se em histórias reais
Próximo artigoVila de Rei | Assembleia Municipal aprova Plano concelhio para Segurança da Água
Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here