Crónica fotográfica, por Paulo Jorge de Sousa

Foto: Paulo Jorge de Sousa

Tenho recebido via CTT inúmeras cartas (iguais) da ANACOM, que integram um folheto com duas perguntas e em letras generosas, se eu vejo televisão gratuita ou se eu conheço quem veja. E fiquei várias vezes a pensar: televisão gratuita? Mas então nós não pagamos todos uma taxa de audiovisuais para isso mesmo, para contribuir para um serviço público de televisão e rádio?

PUB

E a ANACOM, que é a Autoridade Nacional das Comunicações, aquela entidade que deveria ser a nossa aliada na defesa do bom funcionamento disto tudo e da qual nos deveríamos socorrer sobre o não cumprimento dos privados na garantia que nos deram de que todos os portugueses iriam ter televisão sem estarem a pagar rios de dinheiro a privados com este negócio da TDT (e que afinal é mentira), entra-me casa adentro a perguntar se eu vejo televisão de borla?

Fico chateado, com certeza que fico chateado, tal qual um gato fedorento.

PUB

Aqui, pela nossa região, são conhecidas através das redes sociais as preocupações da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia do Sardoal que recentemente se manifestaram publicamente sobre a falta de comunicações móveis e rede de internet, em Andreus.

Esta localidade que fica a dois quilómetros da sede do Concelho de Sardoal, fazendo parte ou não do  “interior” com tudo o que isso possa significar, mesmo estando a uma hora e pouco do aeroporto de Lisboa e do mar, como refere muitas vezes o presidente da Câmara, não permite que possamos comunicar com o exterior através da rede móvel e da internet.

PUB

A fotografia é em Abrantes, cidade, mas representa todos os “Andreus” da região do Médio Tejo e do país, que década após década, continuam à deriva e em várias direções, mesmo que o vento do sistema sopre sempre na mesma direção.

Fotografia: Abrantes, agosto de 2020.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub
Artigo anteriorSertã | Setembro marca a reabertura gradual do Ginásio Municipal e Piscina Coberta
Próximo artigoEntroncamento | Pedro Freitas é o artista que se segue na Galeria Municipal
Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here