Crónica fotográfica, por Paulo Jorge de Sousa

Foto: Paulo Jorge de Sousa

Esta semana passei por Tancos e depois fui até ao outro lado do rio Tejo, ao Arripiado. Passei pelo miradouro situado antes de chegar àquela aldeia, via-se o Castelo de Almourol e o barco que voltava de terra, vazio, novamente para o Castelo, talvez para ir buscar um visitante ou outro.

PUB

Era dia de semana o que contribui para a fraca afluência turística. No Arripiado, apenas um casal de idosos e uma criança, a brincar por ali.  Foi então que reparei numa das obras de José Coelho que estão naquele espaço, um barco elevado, lá no alto do seu pedestal, como que a imortalizar o rio e os peixes, talvez fonte de sustento em tempos.

Este barco também simboliza este nosso interior, sem ninguém para o viver, sem ninguém para o lembrar, o tal interior que está a pouco mais de uma centena de quilómetros da capital. Ainda procurei por ali perto por algum café, queria comprar uma garrafa de água, mas logo percebi que estava tudo fechado.

PUB

Fotografia: Obra de José Coelho, em Arripiado, Chamusca. Julho de 2020

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub
Artigo anteriorTomar | Carvalho-português centenário recebe nome do biólogo Jorge Paiva
Próximo artigoAlcanena | Maus cheiros e um concelho dividido à espera de soluções (c/vídeo)
Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here