Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Crónica fotográfica, por Paulo Jorge de Sousa

Orlando Ferreira da Rodoviária do Tejo disse, no Sardoal, que o que falta na região é gente.

- Publicidade -

Isto a propósito da discussão sobre o Transporte Flexível e Soluções de Mobilidade, debate promovido pela revista Transportes e que se realizou no Centro Cultural Gil Vicente, no passado dia 4 de outubro.

Referiu também que com a proximidade dos três hospitais da região, Abrantes, Tomar e Torres Novas, a Rodoviária do Tejo criou uma carreira entre eles e que ao fim de um ano foi extinta. O autocarro andava vazio de um lado para o outro.

- Publicidade -

No mesmo painel, Maria do Céu Albuquerque, em representação da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (também presidente da Câmara Municipal de Abrantes) referia que tem um problema muito grande em mãos em Abrantes, o do transito junto à Escola Dr. Manuel Fernandes, onde, numa rua sem saída e duas vezes ao dia, não se consegue circular pela quantidade de automóveis particulares que ali de deslocam, provocando o caos ao mesmo tempo que os autocarros andam quase vazios.

Sabemos que uma coisa leva a outra e que um problema pode ter várias soluções e uma solução pode ter vários problemas mas assim, além de desabitado e envelhecido, o interior corre alguns riscos de não se conseguir afirmar como uma opção séria de desenvolvimento a todos os que ainda pensam voltar um dia ou aos que pensam em fugir da vida agitada das cidades para o interior.

(Sardoal, Rua Gil Vicente, fevereiro de 2018)

Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome