Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Crédito Agrícola distinguiu empresas ‘PME Excelência’ do distrito de Santarém

O Crédito Agrícola distinguiu os clientes empresariais que no ano de 2018 receberam o selo de qualidade PME Excelência atribuído pelo IAPMEI e pelo Turismo de Portugal às empresas que mais contribuíram para a competitividade e crescimento da economia portuguesa.

- Publicidade -

Entre as empresas homenageadas estão oito do distrito de Santarém sendo uma delas a Ilmet Lda. de Tramagal, Abrantes, e outra a Farmácia Palmeira, Unipessoal LDA, de Torres Novas.

A cerimónia, conduzida por Sílvia Alberto, decorreu no Convento do Beato, em Lisboa, no passado dia 06 de junho, e contou com a presença do Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, de Nuno Gonçalves, do Conselho Diretivo do IAPMEI, do Diretor Coordenador da Direção de Apoio ao Investimento do Turismo de Portugal, Nuno Alves, para além dos representantes das várias Caixas de Crédito Agrícola do País, do presidente do Conselho Geral e de Supervisão, e do presidente do Conselho de Administração Executivo do Grupo Crédito Agrícola.

- Publicidade -

Os homenageados com o estatuto de PME Excelência foram: Horto S. Silvestre, Sociedade Agrícola, Lda; Rodalgés – Equipamentos Industriais, Lda; Micronipol – Micronização e Reciclagem de Polímeros, S.A.; Ilmet, Lda; Panificadora Marques Filipe – Indústria de Panificação, Lda; Farmácia Palmeira, Unipessoal Lda; André Mesquita – Automóveis, Sociedade Unipessoal, Lda; e Plasbene- Tubos e Acessórios Plásticos, Lda.

Para o Crédito Agrícola esta homenagem reveste-se de “especial importância uma vez que distingue as empresas que, pelas suas características e trabalho desenvolvido ao longo do ano de 2018, se posicionam como motor de desenvolvimento da economia nacional, em
diferentes sectores de atividade”.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome