Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Covid-19 | Situação estabilizada na região mas índice de transmissão preocupa a nível nacional, com Rt de 1,20

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo registou 4 novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas: 1 em Alcanena, 1 em Constância, 1 no Entroncamento e 1 em Ourém. Não há novos óbitos a registar e mantêm-se em vigilância ativa 481 pessoas. 

- Publicidade -

- Publicidade -

A situação de maior risco de transmissão da doença continua a verificar-se em Constância, ainda bastante acima do limite de 240 casos por cada 100 mil habitantes definido para concelhos de baixa densidade populacional – os cálculos que o mediotejo.net faz diariamente indicam que se situa hoje nos 546 casos. Contudo, os últimos dias confirmam uma tendência de descida desse índice de transmissibilidade que, a manter-se, poderá levar a que o concelho volte a ter autorização para avançar no processo de desconfinamento, nas duas próximas semanas.

- Publicidade -

No ACES Médio Tejo há um total de 13.303 infeções desde o início da pandemia (+4). Ourém tem o maior número de casos, com 3.107 (+1), seguido de Tomar, com 2550 (-), Torres Novas, com 2044 (-), Abrantes, com 1655 (-), Entroncamento, 1142 (+1), Alcanena, 1064 (+1), Ferreira Zêzere, com 615 (-), Mação, com 440 (-), Vila Nova da Barquinha, com 281 (-), Sardoal, com 205 (-), e Constância, 199 casos (+1).

A Sertã tem 759 casos (-) e Vila de Rei 149 (-), desde o início da pandemia.


Portugal com mais de 600 pessoas internadas e cinco mortes

Portugal ultrapassou hoje os 600 internamentos com a entrada de mais 46 pessoas, num dia com cinco mortes atribuídas à covid-19 e 1.493 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

No boletim epidemiológico da DGS assinala-se que estão hoje internadas 613 pessoas com covid-19, mais 46 do que no domingo, 136 das quais em unidades de cuidados intensivos, mais oito.

Desde o dia 29 de março que Portugal não tinha mais de 600 pessoas internadas devido à covid-19. Nesse dia estavam internados 623 doentes.

A área de Lisboa e Vale do Tejo tem 54% do total das novas infeções, concentrando 802 novos casos. As cinco mortes ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (3), na região Norte (1) e na região do Algarve (1).

Os dados divulgados pela DGS mostram também que há mais 705 casos ativos, totalizando 38.829 e que 773 pessoas foram dadas como recuperados nas últimas 24 horas, o que aumenta o total nacional para 834.625 recuperados.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram em Portugal 17.117 pessoas e foram registados 890.571 casos de infeção.

A incidência da infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 em Portugal continental continua em crescimento, estando hoje nos 231 casos por 100.000 habitantes, assim como na totalidade do território que é agora de 224,6, revelam dados oficiais.

Na sexta-feira, a incidência da infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 em Portugal continental estava nos 194,2 casos por 100.000 habitantes, enquanto o valor para a totalidade do território se situava nos 189,4.

De acordo com o boletim conjunto da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), o índice de transmissibilidade (Rt) subiu de 1,16 para 1,19 em todo o território nacional e de 1,17 para 1,20 em Portugal continental.

Os dados do índice de transmissibilidade e da incidência a 14 dias são atualizados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

A região de Lisboa e Vale do Tejo, com a notificação de 802 novas infeções, contabiliza até agora 345.840 casos e 7.278 mortos.

c/LUSA

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome