Covid-19 | Pandemia não dá tréguas na região, 8 meses depois do primeiro caso

Passam hoje oito meses sobre o registo da primeira infeção por covid-19 na região: foi a 16 de março que uma mulher de Tomar foi diagnosticada com a doença provocada pelo SARS-CoV-2, o coronavírus que continua a manter o mundo refém do medo. Desde então, nos 13 concelhos do Médio Tejo foram registados 2.166 casos e morreram 31 pessoas. Estamos ainda no Outono e o Inverno ameaça ser um dos mais longos das nossas vidas. 

PUB

A situação tem-se agravado nas últimas duas semanas e, sobretudo, nos lares de idosos, com surtos difíceis de controlar. Há neste momento 5 concelhos do Médio Tejo classificados como “zona de risco elevado” pelo governo por registarem mais de 240 casos por cada 100 mil habitantes (cálculo feito com os dados dos últimos 14 dias).

Na região envolvente ao Médio Tejo incluem-se na listagem de “risco elevado” os municípios da Chamusca e Ponte de Sor. Todos estes concelhos estão em “situação de emergência” entre 16 e 23 de novembro, regendo-se por normas mais apertadas, com restrições à circulação e períodos de recolher obrigatório.

PUB

Nesta “segunda vaga” da pandemia, a região do Médio Tejo teve, em média, valores de risco acima do máximo desejável (240) na primeira semana de novembro, fixando-se esta segunda-feira nos 378 casos por cada 100 mil habitantes. Com as 136 infeções confirmadas hoje num lar de Minde, Alcanena disparou o seu nível de risco bem para lá da “linha vermelha”, registando um valor de 1.452 por cada 100 mil habitantes.

Em termos absolutos, Ourém é o concelho que regista o maior número de casos acumulados (522), sendo neste momento também o que tem mais casos ativos (282).

PUB
PUB
Patrícia Fonseca
Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.
PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).