- Publicidade -

Covid-19 | O que podemos voltar a fazer na nova fase de desconfinamento

Como se estes tempos já não fossem suficientemente estranhos, aqui estamos nós, a entrar num fim de semana grande ansiando pela chegada de segunda-feira… Nesta fase, já quase toda a gente saberá de cor o que pode voltar a fazer a partir de 5 de abril: sentar numa esplanada e pedir uma bica em chávena escaldada, entrar numa loja e comprar uns sapatos novos, passar uma manhã chuvosa num museu, deambular numa tarde de primavera por um mercado de antiguidades em busca de um tesouro. E tantas, tantas coisas mais.

- Publicidade -

Mas nem todos os desejos são possíveis de realizar já esta semana e, para que não restem dúvidas, resumimos os pontos essenciais da segunda fase do plano de desconfinamento.

Restaurantes e comércio

Os restaurantes, pastelarias e cafés com esplanada podem voltar a servir à mesa, com grupos limitados a quatro pessoas, mas o primeiro-ministro recomendou que se mantenham “todas as cautelas”, incluindo o uso de máscara quando não se está a comer ou a beber. As esplanadas podem funcionar até às 22:30 durante a semana e até às 13:00 aos fins de semana e feriados.

- Publicidade -

As lojas com porta para a rua com menos de 200 metros quadrados deixam de ter de vender ao postigo e podem receber o público, para, de acordo com a rotação e as regras da Direção-Geral da Saúde, fazerem atendimento presencial. Com a abertura destas lojas, os super e hipermercados voltam a poder vender todos os produtos, sem restrições, uma vez que as questões de concorrência desleal deixam de existir.

Os centros comerciais e as lojas de maior dimensão deverão reabrir ao público a 19 de abril, data em que passam a ser permitidos clientes no interior dos restaurantes, com um máximo de quatro pessoas por grupo, enquanto nas esplanadas o limite aumentará para seis pessoas.

Escolas

Os alunos do 2.º e 3.º ciclo regressam às aulas presenciais, juntando-se aos alunos do 1.º ciclo e às crianças em creches e pré-escolar, que já voltaram às escolas a 15 de março. Reabrem também as Atividades de Tempos Livres dirigidas a esses estudantes.

Circulação entre concelhos

A proibição da circulação entre concelhos deixa de estar em vigor a partir das 23:59 de segunda-feira. Ou seja, viagens maiores só mesmo a partir de terça-feira, dia 6 de abril.

Museus e exposições

Volta a ser possível visitar museus, monumentos, palácios e sítios arqueológicos ou similares, nacionais, regionais e municipais, públicos ou privados, bem como galerias de arte e salas de exposições. Estes equipamentos encerram às 22:30 durante os dias de semana e às 13:00 aos sábados, domingos e feriados.

Atividades desportivas

Reabrem os ginásios, mas sem autorização para retomarem as aulas de grupo. A atividade física ao ar livre em grupo passa a ser permitida, mas com um limite de quatro pessoas por grupo. Regressa também a prática de modalidades desportivas consideradas de baixo risco (ver gráfico). O público em eventos desportivos continua proibido.

As modalidades desportivas foram classificadas pela DGS como sendo de risco baixo, médio ou alto seguindo estas regras.

Feiras e mercados

Além das vendas de produtos alimentares, podem voltar a realizar-se todo o tipo de feiras e mercados de levante, mediante autorização do presidente da câmara municipal, de acordo com as regras fixadas pela DGS.

Fronteiras

O primeiro-ministro confirmou que a fronteira terrestre com Espanha vai permanecer fechada, por mútuo acordo, mantendo-se em vigor as exceções até agora previstas, em casos de trabalho ou assistência inadiável. Até 15 de abril, além da obrigação de apresentação de um comprovativo de teste negativo até 72 horas antes da chegada, é ainda exigida quarentena para todos os que cheguem do Reino Unido, Brasil, África do Sul e países com mais de 500 casos de covid-19 por 100 mil habitantes, como França, Itália ou Suécia.

*Com Lusa

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).